Estudo sobre estacionamento subterrâneo na Alameda vai mesmo arrancar

O presidente da Câmara Municipal quer ver o assunto do aparcamento debatido em Guimarães. Para isso encomendou ao arquiteto Seara de Sá, “um urbanista que conhece a cidade”, um estudo de viabilidade para a instalação de um parque de estacionamento subterrâneo no Largo República do Brasil e Alameda.

A conferência de imprensa desta segunda-feira, 23, era sobre uma iniciativa da Câmara Municipal: um Concurso de Ideias para o concelho de Guimarães. Mas na sua intervenção, Domingos Bragança aproveitou para falar do problema do estacionamento no centro da cidade e da necessidade de procurar soluções, sendo que uma delas poderá ser a construção de um parque de estacionamento subterrâneo abrangendo o Largo República do Brasil e a Alameda de São Dâmaso.

O edil falou de uma valência de “aparcamento que seria uma linha de fronteira com Couros, que se está a candidatar a Património da Humanidade, de apoio ainda maior ao comércio local e centro histórico”. Com o objetivo de “elaborar um documento base para discussão pública”, Domingos Bragança decidiu “encomendar um trabalho a um urbanista que viva a cidade, porque é preciso que os urbanistas a quem entregamos estes estudos prévios sintam a sua cidade”. O nome indicado pelo presidente de Câmara é o arquitecto vimaranense Fernando Seara de Sá, que deixou recentemente o atelier Pitágoras associado a várias obras no concelho, como a Plataforma das Artes e Criatividade, Multiusos de Guimarães e a Academia de Ginástica e Parque de Estacionamento de Camões, ambos ainda em construção.

Focando que “todo o aparcamento que se vier a construir faz falta”, o presidente da Câmara, diz ser necessário “devolver todo o território ao cidadão para que, com todo o conforto e segurança, possa usufruir do espaço público”. “Se fosse possível tirar todo o aparcamento da superfície da cidade estávamos a contribuir de modo decisivo para a estética de Guimarães”, apontou.

Texto: Catarina Castro Abreu
Foto: Duas Caras