Debate sobre a afirmação do português decorre amanhã na Plataforma das Artes

Acontece já amanhã, terça-feira, dia 16 de maio, o seminário “Domínios Estratégicos de Afirmação da Língua Portuguesa”, organizado pela Universidade do Minho, a câmara municipal de Guimarães e a Comissão Temática para a Promoção e Difusão da Língua Portuguesa da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). A iniciativa tem lugar no auditório do Centro Internacional para as Artes José de Guimarães, na Plataforma das Artes e Criatividade.

A sessão de abertura conta às 9h30 com a presença da pró-reitora para a Internacionalização do Ensino, Carla Martins, da diretora-geral da CPLP, Georgina Melo, da representante da Comissão Temática de Promoção e Difusão da Língua Portuguesa, Helena Borges, além do presidente e da vereadora para a Educação do município de Guimarães, Domingos Bragança e Adelina Pinto, respetivamente. Segue-se uma homenagem ao embaixador Eugénio Anacoreta Correia, que presidiu durante vários anos ao Observatório da Língua Portuguesa, sendo nessa qualidade coordenador da Comissão Temática para a Promoção e Difusão da Língua Portuguesa.

glorinha

A partir das 11h00, a nova visão estratégica da CPLP em relação ao idioma de Camões é debatida pela antiga ministra da Cultura Isabel Pires de Lima e pelo chefe da missão do Brasil junto à CPLP, Gonçalo Mourão. Depois é a vez de Guilherme d’Oliveira Martins, administrador da Fundação Calouste Gulbenkian, falar dos novos desafios do Português no mundo globalizado.

O programa da tarde inicia-se às 14h30 com o painel “Língua Portuguesa como Língua de Economia e Negócio”, juntando Lurdes Fernandes (Associação de Jovens Empresários de Guimarães), Joaquim Ramos Silva (investigador do Instituto Superior de Economia e Gestão), António Guimarães (Soguima) e Miguel Rodrigues (CJR Wind). Pelas 17h00, a docente da UMinho Micaela Ramón modera uma conversa dedicada ao valor cultural do Português, que conta com as intervenções de Álvaro Laborinho Lúcio (presidente do Conselho Geral da academia minhota) e Joana Matos Frias (Universidade do Porto).

foto:CMG