Nova iniciativa em Guimarães a pensar nos cuidadores informais

Os cuidados a pessoas dependentes assentam sobretudo na família. Os cuidadores informais cuidam mas raras vezes são cuidados. Foi com esta premissa em mente que a Plural & Singular, um projeto de comunicação vimaranense ligado à área da deficiência, criou o “Nós, os cuidadores – Sessões de grupo para cuidadores informais”. A iniciativa já está em andamento na Junta de Freguesia de Creixomil e abrange cinco cuidadores.

gemeas

A ideia surgiu durante a apresentação pública da secção de informação sobre Sexualidade&Afetos, em que os participantes, na oportunidade que tiveram de conversar com os técnicos convidados para a sessão de esclarecimento falaram muito na dinâmica familiar e na dificuldade que existia em casa de lidar com o contexto da deficiência e incapacidade. “Ao perceber que os preconceitos, pela falta de informação, começam em casa, no seio familiar enquanto promotores da Plural&Singular decidimos que a primeira intervenção direta às pessoas que fizéssemos, seria dirigida aos cuidadores, quer para os ajudar a lidar melhor com o desgaste físico e emocional que esta ‘tarefa’ acarreta, quer para, de forma indireta, melhorar a qualidade de vida dos dependentes destes cuidados”, sublinha fonte da organização da iniciativa.

Neste momento, o apoio consiste num total de 10 horas de apoio em grupo (começou no passado dia 15 de julho e termina no próximo sábado, 05), concentradas em quatro sessões dinamizadas pela psicóloga clínica Marta Freitas Figueiredo, colaboradora da Plural&Singular. “Ainda estão a decorrer as sessões, até então tem sido gratificante, temos o privilégio de conhecer melhor as participantes e apreender com este projeto piloto como poderemos aperfeiçoar a abordagem na próxima iniciativa”, refere esta responsável ao Duas Caras.

Para Marta Freitas Figueiredo, “o balanço até então é a constatação da necessidade da continuidade destas iniciativas”, sublinhando que “o encontro de grupo é uma iniciativa benéfica para esta população”. Nesse sentido, a organização da iniciativa vai traçando o futuro: “o próximo passo, ou melhor, o caminho é arranjar diferentes formas de financiar este projeto e conseguir dar-lhe sustentabilidade para, por um lado, multiplicarmos os grupos e os cuidadores alvo de apoio psicológico em Guimarães e por outro, conseguirmos disseminar esta resposta para outros concelhos que também apresentem esta lacuna”.

O envolvimento de todos é importante e, nessa medida, a organização da iniciativa apela: “Se é cuidador ou conhece alguém que possa precisar deste apoio contacte os responsáveis pelo projeto pelo número 913077505”.

gil-doce