A maleita que parece não ter cura

As Urgências do hospital de Guimarães, Hospital Nossa Senhora da Oliveira, estão doentes. Há 15 anos que precisam de cuidados e de reforços.

Em Novembro de 2015 deu entrada na Assembleia da República uma petição promovida pela Comissão de Utentes do Hospital de Guimarães, com 4.660 assinaturas, que tinha como objectivo “Defender o Hospital de Guimarães e todos os seus serviços e exigir condições dignas de atendimento nas urgências”.

Esta petição foi discutida no Parlamento a 20 de Julho de 2016 e, neste dia, a Assembleia da República recomenda ao Governo a realização de obras urgentes nos serviços de urgências do Hospital da Senhora da Oliveira, em Guimarães.

Em resposta a esta luta da população vimaranense, que sente que aquele espaço que devia ter mais dignidade e conforto para quem necessita de recorrer a ele em condições de fragilidade e doença, tivemos as palavras do Presidente do Conselho de Administração, Delfim Rodrigues: “É uma reivindicação que já não tem razão de ser, uma vez que as obras vão mesmo começar!”.

No entanto, a população residente nos concelhos de Guimarães, de Cabeceiras de Bastos, de Celorico de Bastos, de Fafe e Vizela continuam a esperar pela sua vez em condições pouco dignas e durante horas.

A prometida remodelação das Urgências que iria criar condições dignas com um funcionamento moderno e eficiente capaz de se adequar às exigências de uma nova era na prestação dos cuidados urgentes às populações que procuram o Hospital, até hoje, ficou apenas no papel, na exigência e nas promessas de corredor.

É desta que a obra se vai concretizar, ouvimos da boca de certos deputados da AR com assento na Assembleia Municipal de Guimarães ou até da boca do senhor presidente de Câmara, Domingos Bragança.

Mas o que está à vista, na opinião da CDU, é que, uns e outros, pouco têm feito para exigir melhores condições de atendimento nas Urgências do Hospital de Guimarães para os vimaranenses.

Enquanto se abrem concursos, se fazem projectos com três fases, se prometem obras para o segundo semestre de 2017 o que todos nós assistimos é que a maleita persiste. Os médicos que têm essa capacidade não tratam de aplicar-lhe a cura.

Em meados de Novembro de 2017 nada se sabe sobre as obras que, nas palavras de quem se diz defensor dos vimaranenses, estariam quase a ser inauguradas. A população continua a ser atendida em condições precárias.

A vida mostra que aquela petição não era assim tão descabida. A vida aí está a reclamar que a população se mobilize de novo para exigir do Governo aquilo que o executivo camarário não é capaz de exigir.

É urgente requalificar as Urgências do Hospital de Guimarães.

Mariana Silva, 34 anos, licenciada em Estudos Portugueses e Lusófonos, na Universidade do Minho. É eleita na Assembleia Municipal de Guimarães desde 2009, eleita na Assembleia da União de Freguesias Oliveira do Castelo, São Paio e São Sebastião desde 2013 e membro do Conselho Nacional do Partido Ecologista “Os Verdes”.
Por decisão pessoal, a autora do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico.