Mezanino Finger Food & Bar | A virtude de Aristóteles

[PUB]

“Não coma a vida de garfo e faca. Lambuze-se!”. Mário Quintana

Mezanino é o nome de um nível situado entre o piso térreo e o primeiro andar, normalmente rebaixado, de um edifício. E o que é que isto tem a ver com restauração? Tudo, porque no Mezanino Finger Food & Bar, recém-aberto no centro histórico de Guimarães, a essência está no detalhe.

1

O espaço é confortável, a decoração é intimista, o serviço é exemplar. O facto de lá trabalhar a minha prima Patrícia … não é pura coincidência 😛 Parece que estamos em Londres, só que não… Estamos no coração de Guimarães e é bom estar num lugar assim.

A carta do restaurante, mais que inteligente é atraente, oferecendo pequenos pratos de fusão, a maioria para compartilhar.

2

À chegada fomos recebidos no piso que dá nome ao restaurante com um cocktail fresco, ligeiramente adocicado, que teve o dom de preparar o palato para a refeição que estava prestes a ser iniciada.

3

Como entradas tivemos o equilíbrio e riqueza aromática dos lagostins com rúcula e molho branco que ganharam expressão com o molho agridoce, a simplicidade saborosa dos espargos, presunto e ovo onde o ovo fez a ponte gastronómica entre a voluptuosidade do presunto e a frescura dos espargos, a originalidade dos cornetos de salmão, a riqueza, cremosidade e leveza dos charutos de chevre e mel e a surpresa dos cogumelos recheados com queijo parmesão e banana frita.

4

Esta última entrada foi a que menos resultou em imagem mas a que mais me surpreendeu, por ser inesperada, eficaz e complexa. Combina de forma muito particular a doçura da banana, os aromas terrosos dos cogumelos e a gordura picante do parmesão.

5

Esta finger food foi harmonizada pelo vinho verde Quinta da Pedra Alvarinho 2011, provavelmente o meu Alvarinho favorito (tirando o Tempo de Anselmo Mendes, mas esse pertence a outro campeonato). Os citrinos, as notas minerais, as sugestões florais e os aromas gentis de maçã, abacaxi e maracujá dão-lhe um nariz muito elegante.

6

O palato revela um vinho suave, untuoso e com uma incrível acidez que lhe dá frescura, firmeza e comprimento. Acompanhou ainda as Gyosas de frango e legumes, crocantes e carregadas de sabor, algo salgadas e com um “caldo” que equilibra o interior muito suculento.

7

Logo nas entradas deu para perceber que os produtos são cuidadosamente e criteriosamente selecionados com apresentações originais, pensadas para celebrar o convívio, propondo a partilha em torno de uma boa mesa. Se são daqueles que não gostam de partilhar comida, acho que este Mezanino vos vai fazer mudar de opinião…

8

Esta ideia da partilha de alimentos é predominante nas culturas asiáticas, especialmente na China onde surgiu. É mais do que apenas maximizar a diversidade de alimentos à nossa disposição, há também um aspeto social muito importante, incentiva-nos a ficar mais tempo, a interagir mais, a viver mais. Podemos até pedir pratos principais diferentes, para termos uma experiencia mais enriquecedora e heterogénea.

9

O ligeiro fumo, casca de laranja, mineralidade e acidez do Quinta Maria Izabel Branco 2016 combinaram muito bem com a frescura e maresia do Robalo de Mar acompanhado com puré de batata-doce, brócolos, espargos e cenoura baby.  O prato ganhou um pouco de estrutura e corpo com a riqueza, intensidade sensualidade do puré de batata-doce. Os brócolos e cenoura subtilmente adocicados criaram um contraste muito engraçado com os restantes ingredientes.

10

O Naco de lombo de boi grelhado servido em cama de puré de castanha com maçã caramelizada e espargos foi a iguaria que se seguiu. Ao cortar a carne parecia que estávamos a cortar manteiga, de tão suave e delicada que era. Para além dessa textura incrível estava muito suculenta, intensa, rica e saborosa.

11

O sal que serviu para a temperar e ligou de forma magistral com a madeira do Quinta da Curia Clefs D’Or tinto 2010. Essa madeira combina muito bem com a castanha, que por sua vez faz realçar o aroma dos espargos. Enquanto tudo isto acontece no nosso palato, há ainda mais uma interação a surgir entre a doçura do puré a doçura da maçã caramelizada, que faz engrandecer todo o prato.

12

O vinho traz ainda consigo especiarias e fruta preta em forma de ameixa, amora e mirtilos, que tornam esta harmonização muito feliz. Depois deste bom momento enogastronómico, o capítulo seguinte no jantar foi narrado por duas sobremesas.

13

Mil folhas de frutos vermelhos e supremo de chocolate. Começo pelo chocolate, em diversas texturas, com diferentes intensidades e pintado com alguma excentricidade através da introdução de aromas a laranja que iriam harmonizar melodiosamente com o Champagne.

14

O B. J. Barbier Bruto esteve ainda capaz de suportar a grandiosidade do Mil folhas de frutos vermelhos, que me fez regressar à infância, quando o mil-folhas, o meu bolo favorito de então, era sinónimo de pequeno-almoço de domingo. Muito estaladiço, saboroso e acentuado, ganhou diversidade e comprimento na cremosidade do recheio e no brioche, maçã e fisális do Champagne.

15

No final ainda houve tempo para uma agradável conversa com a gerente Filipa Ribeiro, banhada pela frescura, doçura e leve adstringência de um cocktail de café.

Desde as entradas até à sobremesa, nesta noite foram desfilando uma série de pratos, saboreados com os dedos e com os talheres, todos eles pensados para se enquadrarem na filosofia no espaço. Confesso-vos que no início não percebi esse conceito, por se encontrar entre dois mundos.

16

Não é fine-dining mas tem jantares vínicos, não tem cozinha de autor, mas também não segue receitas convencionais, quer ter uma atmosfera super-descontraída mas ao mesmo tempo tem o espaço mais confortável e com melhor ambiente da cidade berço.

17

Enquanto conversava com a minha esposa sobre isto ela disse que a virtude do Mezanino é essa mesmo: “queres ir com uns amigos a um sítio com boa comida, sem grandes formalismos mas com atendimento cuidado e com uma excelente carta de vinhos, vens cá…”

A virtude, afirmou Aristóteles, escolhe o meio-termo, aliando o melhor entre dois mundos, o Mezanino faz isso na perfeição.

Rua João de Melo
4810-131, Guimarães
253 115 131
http://www.restaurantemezanino.pt/