Todos os olhos postos em nós

É assim que continuará a estar Guimarães ao longo dos próximos meses. Todos os olhos postos em nós.

Estamos a menos de um mês de receber a Grande Final do Festival da Canção 2018. O Multiusos e a cidade estarão engalanados para acolher os interpretes e compositores que conseguirem passar as eliminatórias até cá chegar.

Serão centenas de pessoas envolvidas numa organização que trará alguns dos grandes nomes da música portuguesa até Guimarães e transportará para o Berço a Televisão Nacional que há 16 anos não deslocalizava este evento da Capital. Fá-lo-á, ainda por cima, no momento alto desta organização, depois de Salvador Sobral ter conquistado a Europa com o tema que venceu a última edição do Festival.

Ao mesmo tempo ficamos a saber que durante várias semanas estará a ser gravada uma telenovela da TVI em Guimarães. Com a história a passar-se na nossa cidade e a transmissão a ser feita não só para Portugal como noutros países do mundo, as nossas ruas e praças estarão garantidamente a ser disseminadas um pouco por toda a parte.

Duas novidades que não têm o exclusivo da visibilidade do concelho para o exterior. Guimarães continua a afirmar-se nos mais diversos setores, quer por via da sua programação Cultural, de que é exemplo mais próximo o GUIdance a correr nestes primeiros dias de fevereiro, ou a presença massiva de empresas vimaranenses, e do stand “Guimarães Marca” na Heimtextil.

O nosso concelho exporta e mostra-se lá fora também quando o Quarteto de Cordas de Guimarães toca na próxima semana em Wraclaw na Polónia.

O que me parece é que Guimarães pode estar orgulhosa da cidade que é, sem se deixar adormecer na forma para que esta atenção não se perca, nem se tornar demasiado vaidosa e, de repente, prescindir de algumas atenções que não firam o interesse suscitado nos seus mercados de referência.

O mais importante, para que isto se torne uma realidade, é que, em todos os momentos de grande visibilidade e de chegada ao grande público, ou das vindas a Guimarães de profissionais de referência nas mais diversas áreas, sejam aproveitados para transmitir o projeto de cidade que todos conhecemos, para aproveitar para exportar valores vimaranenses e para deixar residente alguma mais valia que enriqueça o tecido local.

Paulo Lopes Silva, 30 anos, é Adjunto para a Cultura da Vice-Presidente da Câmara de Guimarães. Membro da bancada do Partido Socialista na Assembleia Municipal de Guimarães desde 2009, ano em que foi candidato a presidente da Junta de Freguesia de São Sebastião. Foi membro da comissão de acompanhamento da Capital Europeia da Cultura na Assembleia Municipal. Licenciado em Engenharia Informática e Mestre em Engenharia de Sistemas pela Universidade do Minho. Foi Diretor Nacional de Organização do Partido Socialista entre 2011 e 2014.