900 ANOS

Print

Daqui a dez curtos anos  Guimarães, e espera-se (embora com algum desespero) o resto do país, vão festejar condignamente os novecentos anos da batalha de S. Mamede em que a vitória das tropas de D.Afonso Henriques transformou esse dia no primeiro dia de Portugal.

É uma realidade histórica a que só por teimosia, ignorância, má fé e algum preconceito o país tem resistido a comemorar de forma condigna.

Já sobre esse assunto tenho escrito e a ele não vou voltar neste texto a não ser como introito ao desenvolvimento do tema que hoje quero tratar e que não é a falta de reconhecimento do 24 de Junho de 1128 mas sim a forma como Guimarães olhará para essa data.

Escrevia no início “dez curtos anos” e não o fazia por acaso visto que uma década se é um período dilatado de tempo para muita coisa há outras para as quais somos obrigados a considerar que é um espaço temporal pequeno tal a dimensão do que importa fazer e a importância de o fazer bem feito.

E mais do que festejar condignamente a data, e espero que isso não seja sequer motivo de dúvida, importa que esse festejo e o facto de se tratar de um número “redondo” (900 anos) sejam motivo suficiente para apontar 2028 como uma meta plausível para o esforço de transformar a data em feriado nacional permitindo assim que seja reconhecida por todos os portugueses e não apenas pelos vimaranenses.

É um esforço grandioso, já o sabemos, que não dispensará um envolvimento solidário de toda a comunidade vimaranense e que devendo ser liderado pelas forças políticas locais não dispensará o contributo de associações culturais, da Universidade, dos organismos sócio profissionais, dos clubes desportivos, das instituições de solidariedade social, da associação comercial e industrial, enfim de todas as forças vivas do nosso concelho.

Dispensados mesmo deste esforço colectivo apenas estão o egoísmo,a partidarite, a arrogância, a soberba, a patética convicção da auto suficiência que são tantas vezes os piores adversários da nossa Terra quando ela se abalança a empreitadas que fogem ao que é comum na vulgaridade dos dias.

É por isso importante, diria até decisivo, que as principais forças políticas do nosso concelho (PS, PSD, CDS, CDU, BE, PPM,MPT) que são aquelas que tem representação no executivo camarário e/ou na Assembleia Municipal saibam olhar para a data com a importância que ela efectivamente tem e sejam capazes de nesse olhar dispensarem as agendas eleitorais que correm até 2028 e muito em especial as duas eleições autárquicas que até lá se verificarão.

É verdade que nesse capítulo já começamos mal.

Porque na última Assembleia Municipal a proposta do PSD para ser criada uma comissão de acompanhamento das comemorações dos 900 anos da Batalha de S. Mamede, que integraria todos os partidos representados no orgão e se estenderia ao longo dos dez anos, foi chumbada pela maioria absoluta do PS com o espantoso argumento de que “ainda era cedo”.

Fosse para a uma candidatura a capital europeia do chincalhão, da sueca ou dos matraquilhos e talvez o PS desse a sua anuência à criação da tal comissão mas como era para acompanhar aquela que consideramos como a mais importante data da História de Portugal (aquela data sem a qual não haveria Portugal) resolveu chumbar dando a preocupante sensação, que esperamos não se venha a confirmar, de que pretende fazer do assunto causa sua e de mais ninguém.

Nem sequer percebendo, e não era pedir muito, que a criação de uma comissão multipartidária para acompanhar os preparativos da comemoração era um primeiro e importante sinal que se estaria a dar à comunidade em termos da comunhão de esforços para atingir um objectivo que é de todos.

Foi pena mas não é nada que a qualquer momento não se possa corrigir desde que exista a vontade necessária a tanto.

São, pois, dez anos para uma comemoração que deve encerrar o tal objectivo de dar dimensão nacional à data.

Dez anos em que se espera que o concelho se torne mais atractivo, ganhe população, atraia investimento e empresas, melhore a sua mobilidade interna e externa (acreditamos que nesse prazo talvez seja possível desnivelar o nó de Silvares), se torne mais equilibrado e mais justo  em termos de investimento/desenvolvimento na cidade nas vilas e nas freguesias, reforce o peso e a importância do polo da Universidade do Minho, seja ecologicamente exemplar, tenha no rio Ave uma alavanca da sua sustentabilidade ambiental (ao contrário do que aconteceu em recente candidatura a capital verde europeia) e consiga manter manter o rigor em termos de urbanismo que lhe permitiu ganhar para o seu centro histórico o galardão de património mundial da Unesco mas que recente “mamarracho” para os lados da Costa faz temer que algo tenha mudado.

E como o Vitória está sempre presente seria fantástico que nestes dez anos o clube conseguisse finalmente ser campeão nacional de futebol.

Porque teria, no contexto muito próprio do futebol, o efeito de uma autêntica batalha de S. Mamede e seria uma vez mais em Guimarães que nasceria uma nova e revolucionária realidade.

Temos dez anos pela frente.

Saibamos aproveitá-los!

Luís Cirilo Carvalho, 58 anos, é deputado municipal eleito pelas listas do PSD. Já liderou a concelhia do partido e foi deputado à Assembleia da República 1999 e 2005 na bancada social-democrata. Foi governador civil entre 2002 e 2003. Passou pelo Vitória Sport Clube como dirigente.
Por decisão pessoal, o autor do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico.