Luz ao fundo do túnel?

A apresentação do projecto da rotunda de Silvares aconteceu esta segunda-feira, 1 de Outubro, precisamente um ano depois das eleições autárquicas. Como imaginamos, todos, esta não foi uma data escolhida ao acaso. Foi decidida para acompanhar o discurso dos vistos nos compromissos do PS.

Mais um visto, o projecto está apresentado. Tudo o que sabemos é pelos meios de comunicação social porque o executivo PS não fez questão de apresentar tão importante projecto a todos os vimaranenses.

Sabemos pouco, apenas que será um desnivelamento em túnel, que custará 2,5 milhões de euros, que as obras deverão começar no início do próximo ano e que, daqui a um ano, estaremos todos satisfeitos e livres das filas intermináveis tão características daquela rotunda.

No entanto, nem tudo são rosas, e se os grandes cartazes instalados meses antes das eleições, naquele espaço anunciavam um acordo/contrato – que garantiam estar assinado desde Março de 2017 -, tal seja aconselhável não ficarmos muito entusiasmados com as datas para o fim das filas.

Para já, 17 meses depois temos a apresentação do projecto que, segundo se pode ler nas notícias, ainda não está completo, faltando alguns aspectos técnicos, que só os técnicos saberão se são complexos ou não. Seguir-se-á a abertura de concurso, com todas as complexidades que lhe estão inerentes. Atentemos nas obras das Urgências do Hospital Nossa Senhora da Oliveira que viu o início do processo em 2015 e a 3 meses do fim de 2018 ainda nem se iniciaram as obras.

Por isso, há uma certa probabilidade de as pessoas que ali passam diariamente, perto de 25 mil veículos, ainda terem muito que esperar e talvez quem sabe lá para o fim de 2021 seja possível inaugurar a obra. Isto porque é ano de eleições e serão necessários mais do que uns cartazes a prometer outra vez a realização da obra.

Desta apresentação feita apenas nos meios da comunicação social, pouco ficamos a saber. Estão previstos mais 3 projectos, prevê-se assim muito investimento por parte do município e da administração central em estradas e rotundas.

Prevê-se um grande investimento porque, segundo as Infra-estruturas de Portugal, admite-se o aumento em 30% do trânsito naquela rotunda em 20 anos.

Estranho, pois o que previa o senhor presidente da câmara Municipal de Guimarães era um grande investimento em transportes públicos. Como explicar então a perspectiva de aumento do trânsito nos próximos 20 anos, quando os vimaranenses passarão a ter possibilidade de escolha entre o carro individual e o transporte público.
Por último, e porque muita tinta ainda vai correr sobre este assunto, não sabemos de que forma vão circular os autocarros, qual será a solução para os condutores durante as obras, se as populações das freguesias envolventes foram ouvidas, se foram ouvidos os presidentes de junta. Muitas são as dúvidas que ficam, como seria de esperar da apresentação de um projecto apenas para privilegiados.

A obra não se fará num dia, apesar dos sonhos do senhor presidente, mas também não queremos que se estenda por mais 13 anos e que as desculpas de ontem não sirvam de argumentos para amanhã.

Mariana Silva, 36 anos, licenciada em Estudos Portugueses e Lusófonos, na Universidade do Minho. É eleita na Assembleia Municipal de Guimarães desde 2009, eleita na Assembleia da União de Freguesias Oliveira do Castelo, São Paio e São Sebastião desde 2013 e membro do Conselho Nacional do Partido Ecologista “Os Verdes”.
Por decisão pessoal, a autora do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico.