Dialética Política: Acessos ao parque industrial de Pencelo/Selho São Lourenço

O concurso de reperfilamento da Estrada Municipal 582 que compreendia a requalificação da via que liga a rotunda de Fermentões ao centro da freguesia de Selho São Lourenço foi anulado, em decisão na última reunião de Câmara. Os vereadores do PS votaram a favor enquanto os da oposição abstiveram-se.

Domingos Bragança, presidente da Câmara  

A fundamentação para a anulação de concurso foi muito técnica, não é? Mas é mais importante para mim essa fundamentação técnica é que nós estamos neste momento com o projeto a bem dizer, terminado, da reabilitação do parque industrial de Selho São Lourenço. E nessa requalificação do parque industrial, nós temos um conjunto de interseções com essa estada que agora teve a anulação de concurso, que atravessa Pencelo e, portanto, São Lourenço. E que tem, nomeadamente, uma rotunda.

Ora, se nós avançássemos com a obra depois tínhamos que aquando da outra obra intervir exatamente onde estivemos a fazer a obra nova. E ninguém entenderia que não fosse englobar tudo na mesma obra. E é isso que eu quero fazer. Aquilo que nós estamos aqui a fazer em síntese é melhorar a nossa intervenção.

Em vez de termos só uma intervenção na estrada que liga Pencelo, São Lourenço e Pencelo a Fermentões. Termos também uma intervenção no parque industrial Selho São Lourenço e Pencelo que está muito avançado esse projeto, a bem dizer, está concluído. E também uma interseção cá em baixo, também quero incluir neste projeto de obra para lançamento da obra. Cá em baixo, na volta de Pedroso, depois mais abaixo tem uma entrada para exatamente, para o centro de Selho São Lourenço. E aí, nós vamos criar também uma obra de arte. No sentido de criar aí uma rotunda para destruir o trânsito e não haver ali um conflito permanente de trânsito nessa entrada para Selho São Lourenço. Para sair de São Lourenço ou para a saída da zona de São Torcato e também na volta de Pedroso para Guimarães e São Torcato. E isso é tudo para melhorar. Portanto, quando o senhor disse vereador disse, “há um conjunto de obras que já deviam estar feitas”. Pois. Muitas obras já deviam estar feitas mas o que o senhor vereador falou agora. Mas esta obra… estas duas obras já têm projeto e inclusive, já tinha sido lançada a concurso a obra. Portanto, estamos a fazer. Estamos a fazer.

Na volta de Pedroso. Entrando na zona da ponte de Aldão. Também temos ali uma entrada, uma ponte que precisa de ser alargada. Já temos o projeto pronto do alargamento dessa ponte. Vai até Aldão e até Atães. E tem, depois, aqui nesta zona de Aldão… no início de Aldão, na rua de São Torcato, ela tem outro nome. Não rua de São Torcato. Mas para todos perceberem tem um nome que não é muito utilizado. Tem essa rua que vai para São Torcato e para Selho São Lourenço. Essa rua, aí tem uma obra de redireccionamento de todo o trânsito com uma placa giratória. E que vai de facto fazer desaparecer essa conflitualidade do trânsito. E que vai lá acima depois, vai lá acima… tem aí uma interrupção que essa estrada… não está prevista essa estrada cá debaixo até lá acima a Selho São Lourenço. E de Selho São Lourenço vai para Pencelo, então a de Fermentões essa tem uma grande requalificação. Incluindo o parque industrial que ambos sabemos que foi feito sem infraestruturas ao longo do tempo. E não é só requalificação. O parque da estrada e o parque de acesso ao parque industrial, como todas as estruturas necessárias básicas para ter um bom parque industrial e para ser novamente muito mais atrativo. Ainda para a fixação para as empresas existentes, para a fixação e ampliação das empresas lá existentes.

Eu espero que lançar o concurso a obra em 2019. Primeiro trimestre de 2019. Portanto, quando alguém critica por estarmos a fazer melhor, eu não percebo. Estamos a fazer muito melhor. Não é melhor. Muito melhor. Estamos a duplicar, é verdade, as verbas.

As verbas não dão para tudo. Nós temos de fazer escolhas. Mas a esta área e para o parque industrial e por causa desta, essencialmente a rua é o Engenheiro Duarte do Amaral. Mas que tem essa extensão toda da rua do engenheiro Duarte do Amaral. O parque industrial. Cá em baixo a entrada para Selho São Lourenço na rua de São Torcato. E depois, a entrada relativamente da ponte para Atães, para Aldão e Atães com requalificação desta estrada também de Atães e de Aldão. Uma obra que deu muito valor financeiro mas que a vamos lançar a concurso no ano de 2019 e espero que no primeiro trimestre de 2019.

Estes são três milhões de euros. Esta obra de requalificação, desta zona de Selho São Lourenço, Pencelo, Fermentões, Aldão e Atães. Mexe com estas freguesias todas. São na ordem dos três milhões, três milhões e meio. É uma intervenção de grande vulto. Que irámos, espero que entremos em obra em 2019.

Bruno Fernandes, vereador da Coligação Juntos por Guimarães (PSD)

Aquilo que quisemos aqui dizer relativamente a essa requalificação, portanto, da estrada que liga Fermentões a Selho São Lourenço, foi tempo demais aquele que está a passar entre aquilo que é a necessidade de resolver um problema de fundo e aquilo que é a expetativa que temos para a sua resolução.

Isto é, esta estrada é provavelmente das estradas com mais problemas do ponto de vista da sua estrutura, da forma como lá podemos circular do concelho. E a sua não resolução tem levado a que os automobilistas que ali passam sejam penalizados todos os dias. Porque de facto aquela via está em evidente degradação.

E aquilo que dissemos aqui ao presidente da Câmara é que não é aceitável que passe mais tempo e muito tempo até que seja resolvido o problema. Foi aqui explicado que ele se deve a uma alteração do projeto. A questão de fundo é andamos em alteração de projeto, em alteração de projeto e o problema de fundo não é resolvido. E portanto, o que quisemos dizer com a nossa abstenção é que somos a favor de que seja qualificado este projeto mas somos contra que ele demore tanto tempo.

O que eu, que aqui também deixamos claro foi que… portanto, o relatório preliminar do concurso que estamos aqui hoje a anular foi elaborado há um ano atrás. Porque é que demora tanto tempo? Porque é que desse relatório preliminar em que a Câmara decidiu não o concretizar, porque é que não o anulou? E elaborou um novo projeto? Lança o concurso.

Porque aquilo fica aqui também evidente e foi dito naquela apresentação do estudo para o parque industrial. Será servido também para a acessibilidade. É que o mesmo só será lançado no primeiro semestre de 2019. Ora, a ver por este andamento, nós teremos esta obra quando? Daqui a dois, três anos? E acham que… genuinamente, se acham que é aceitável que uma acessibilidade desta natureza que serve dois parques industriais, que serve várias freguesias, continue no estado em que ela está? É essa a questão que deixamos.

Em contexto de reunião de Câmara, o órgão que governa dos destinos do município, os temas são quase sempre debatidos a duas caras. Este exercício de dialética política serve para conhecer os argumentos que suportam as aprovações, abstenções ou chumbos que, de quinze em quinze dias, vão marcando a cidade. O seu a seu dono: discursos transcritos na primeira pessoa.
Este trabalho conta com o apoio da:

ipsis-verbis