A Água

A água é um recurso natural que, ao contrário do que alguns possam pensar, não é inesgotável.

No entanto, este é um dos recursos naturais mais imprescindível à sobrevivência do Homem e do Planeta Terra. Apesar de ser um recurso natural que se renova naturalmente e através de processos mecânicos a água sofre com a poluição.

Todos os dias somos confrontados com as notícias de grandes manchas de plástico a boiar nos nossos mares. Frequentemente, somos confrontados com a poluição dos rios, quer seja por esgotos domésticos, em municípios em que o saneamento está longe de abranger todo o seu território, quer seja por indústrias ou produções agrícolas super intensivas.

É necessário preservar este recurso do qual dependemos para viver. Segundo um relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e pela Organização Mundial de Saúde (OMS), 884 milhões de pessoas em todo o mundo ainda não têm acesso a água potável.

As rotinas que damos como garantidas a cada dia, como tomar um duche, beber um café, lavar os dentes e até a garantia de saneamento não é ainda uma realidade em todo o Mundo.

Contudo, não existe apenas uma ameaça ao acesso a água potável. Os apetites das multinacionais lançam-se ferozmente para controlar este recurso tão essencial como é a água, procurando privatizar a sua gestão, de modo a mercantilizar e a controlar aquele que é um bem essencial a todas as formas de vida e que, de tão imprescindível, ameaça mesmo ser um dos potenciais factores de conflito entre Estados.
A escassez deste recurso é ainda mais agravada pelos cenários de seca e de desertificação como consequência das alterações climáticas, por isso, não se pode permitir que os Estados prescindam da gestão pública de um recurso determinante para o desenvolvimento.

E assim se torna ainda mais incompreensível que a União Europeia levante a bandeira da defesa do ambiente, mas defenda a privatização da água, comprometendo a água pública e o acesso de todos a água potável. Ainda em Outubro passado, o Parlamento Europeu aprovou uma proposta da Comissão Europeia que distorceu, manipulou e instrumentalizou a “Iniciativa Europeia de Cidadãos” intitulada “A água e o saneamento são um direito humano! A água é um bem público, não uma mercadoria!”, que mobilizou mais de dois milhões de pessoas por toda a Europa, em defesa da água pública e contra a privatização da água.

Como na altura denunciaram os deputados da CDU no Parlamento Europeu, as propostas da Comissão Europeia aprovadas pelo Parlamento, ao contrário de se focarem em garantir o direito das populações à água, como era proposta dos cidadão, procuraram garantir que as empresas não perdem lucros com a inclusão de algumas, poucas, medidas de carácter social.

Sobre a importância da água já se disse aqui tudo. Por isso, termino dizendo que o tarifário social da água para 10 mil 219 famílias de Guimarães é uma medida que peca apenas por tardia. É necessário que ninguém fique privado deste bem essencial necessário à sobrevivência do ser humano a todos os níveis.

Mariana Silva, 36 anos, licenciada em Estudos Portugueses e Lusófonos, na Universidade do Minho. É eleita na Assembleia Municipal de Guimarães desde 2009, eleita na Assembleia da União de Freguesias Oliveira do Castelo, São Paio e São Sebastião desde 2013 e membro do Conselho Nacional do Partido Ecologista “Os Verdes”.
Por decisão pessoal, a autora do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico.