ROTEIROS

Print

A três meses de eleições legislativas, em que como é normal em democracia será avaliada a acção de um governo (embora o actual resulte de algo que nunca tinha sido visto em Portugal e que pelos vistos já gera arrependimentos nalguns dos protagonistas) , os diversos partidos políticos já estão embrenhados nas suas acções de pré campanha.

Para lá do govero que anda em campanha, mais do que a governar, desde o primeiro dia em que iniciou as suas funções.

Também por isso será avaliado.

No caso da Aliança, que depois da estreia nas europeias (essas eleições tão sui generis…) vai agora enfrentar as suas primeiras eleições verdadeiramente nacionais, o caminho até seis de Outubro está claramente definido desde há muito.

Depois de ter aprovado as suas linhas de orientação programáticas, com base nas quais seria elaborado o programa eleitoral, o partido publicou dias atrás (e pese embora a sua juventude foi o primeiro a fazê-lo!) o seu programa eleitoral assente nas seguintes traves mestras:

  • Saúde
  • Demografia/Natalidade/Família
  • Coesão Territorial
  • Combate à Corrupção
  • Crescimento e Competitividade
  • Política de Renovação e Ética
  • Reciprocidade para com o Estado
  • Segurança
  • Educação
  • Combate à Pobreza
  • Mar, Inovação e Cultura
  • Sociedade Digital e Segura
  • Ambiente e Alterações Climáticas
  • Portugal no Contexto Global

Um programa ambicioso, bem estruturado e que dá resposta a muitas das carências e necessidades de Portugal visto na sua realidade e longe dos holofotes propagandísticos com que o governo gosta de encadear os menos atentos.

E porque as pessoas estão sempre no centro das preocupações da Aliança, que existe precisamente numa perspectiva de as servir, o presidente do partido está agora e nas próximas semanas a correr o país de norte a sul num conjunto de roteiros temáticos que abrangem muitas dessas áreas para que no programa eleitoral são propostas soluções.

São oito roteiros no seu total.

No primeiro, sob o tema “Combater um Estado poluido”, o ambiente e as alterações climáticas foram o centro das preocupações num percurso que passou pelos distritos de Faro, Castelo Branco e Setúbal.

O segundo, em curso, tem como tema “Combater um Estado Doente” e passará pelos distritos de Lisboa, Braga e Vila Real.

Depois virá o “Combater um Estado (In)Diferente”, o “Combater um Estado Árido”, o “Combater um Estado Poucochinho”, o “Combater um Estado Empenado”, o “Combater um Estado Mal Educado” e o “Combater um Monstro chamado Estado”.

Que versarão muitos dos temas do programa eleitoral e permitirão ao presidente do partido visitar todo o país indo de encontro às pessoas, às instituições e a realidades que tantas vezes passam despercebidas ao comum dos cidadãos.

Pôr a política ao serviço das Pessoas é aquilo que mais motiva a Aliança.

O programa eleitoral e estes roteiros são a prova disso!

P.S. Fiquei sinceramente satisfeito por ver dois amigos, o André Coelho Lima e a Mariana Silva, integrarem em lugar de eleição certa as listas dos seus partidos.

O André como cabeça de lista do PSD em Braga e a Mariana como número quatro da CDU em Lisboa.

São o reconhecimento merecido de dois percursos de mérito e a certeza de que contribuirão para um Parlamento diferente para melhor.

Espero, se for essa a vontade dos eleitores , poder juntar-me a eles nesse desafio de fazer mais e melhor pelo distrito e pelo país.

Luís Cirilo Carvalho, 58 anos, já liderou a concelhia do partido e foi deputado à Assembleia da República 1999 e 2005 na bancada social-democrata. Foi governador civil entre 2002 e 2003. Passou pelo Vitória Sport Clube como dirigente. É director executivo do partido Aliança desde Outubro de 2018 e foi recentemente reconduzido para um mandato de três anos.