A (in)disciplina dos adeptos na Liga NOS

A partir de hoje começo a minha colaboração com o jornal digital Duas Caras, falando de assuntos sobre o futebol, focando-me na Liga NOS e principalmente no nosso clube, o Vitória.

Vou focar-me na indisciplina dos adeptos do nosso campeonato. Até à jornada do passado fim-de-semana, a Liga já “faturou” 545.382 euros, sendo que os primeiros 6 clubes são: o Porto (136.609 euros); Benfica (111.860 euros); Sporting (85.1221 euros); Braga (60.791 euros); Boavista (45.702 euros) e Vitória (42.160 euros). Na cauda desta tabela temos o Tondela com 459 euros.

O Vitória em 14 jornadas não teve qualquer multa. As multas de maior valor que foram aplicadas ao Vitória foram em jogos em casa, com o Chaves (7.650 euros), com o Benfica, para o campeonato (3.673 euros), com o Porto (6.351 euros), com o Benfica, para a taça da Liga (9.028 euros) e no jogo fora, em Braga (4.055 euros). Quer isto dizer que ainda gastamos muito dinheiro com o mau comportamento dos nossos adeptos, pois as multas de maior monta são as que se referem ao rebentamento de petardos ou ao arremesso de tochas para o recinto do jogo. Precisamos de melhorar o nosso comportamento, apoiando o nosso Clube, mas não pagando multas.

Já tinha ficado “revoltado” com as decisões do Conselho de Disciplina da FPF relativamente aos casos de rebentamento de petardos em jogos que intervieram o Braga e Porto, e, agora, vem o Benfica e é igual, levantamento de processo disciplinar.

Tornei pública esta minha revolta, via Facebook, junto da FPF, da Liga, de vários jornais e finalmente enviei duas mensagens para o Rui Santos do programa Tempo Extra da SIC, tendo sido este o jornalista que teve a coragem de dizer que não pode haver filhos e enteados e revelou aquilo que lhe transmiti. O Vitória A e B são punidos com jogos à porta fechada sem qualquer processo e agora? Porquê a diferença, para incidentes iguais? Não seria interessante que a Direção do Vitória tomasse uma posição, ou também tem medo?

Secundino Rodrigues, 63 anos, é reformado da profissão de empregado administrativo. Sócio do Vitória com o número 1.104, gosta de verter a sua paixão pelos números na análise dos resultados do seu clube. Escreve à quarta-feira.