Os plantéis do Vitória à lupa

Hoje irei falar da terceira época da era do presidente Júlio Mendes. O treinador Rui Vitória continua pela quarta época consecutiva, que será a última, pois no final da mesma foi para o Benfica.

Na época de 2014/2015 foram inscritos 60 jogadores na Liga de Futebol Profissional, sendo cinco guarda-redes, 17 defesas, 19 médios e 19 avançados. Deste lote de jogadores tivemos cinco emprestados e inscrevemos quatro jogadores que vieram dos juniores.

Nesta época inscrevemos 31 novos jogadores e em relação ao plantel do ano anterior foram embora 24, sendo certo que, destes seis foram vendidos, restaram da época passada 29 jogadores. O que quer dizer que melhorámos em relação à época anterior.

Em janeiro de 2015, saíram oito jogadores, sendo eles: o Hernâni e Traoré que foram vendidos, e João Amorim, Balazs, David Caiado, Defendi, Crivellaro e Barrientos rescindiram o contrato.

Nesta época ficamos no 5º. lugar do campeonato da Liga NOS (deixou de ser Liga Sagres, à 20ª. jornada), tendo feito 55 pontos, sendo que 34 foram conquistados na 1ª. volta e os restantes 21 na 2ª. volta.

A média da idade dos jogadores utilizados pelo Vitória neste campeonato foi de 23,58 anos.

O Vitória pagou de multas à Liga, referentes aos jogos da equipa principal, por mau comportamento do público o valor de 57.708 euros.

Houve 12 jogadores que efetuaram poucos jogos. Os guarda-redes Miguel Palha e Miguel Silva fizeram dois e quatro jogos pela equipa B, respetivamente. O Pedro Correia esteve toda a época lesionado, o Rômulo e o Ká vieram em Janeiro, o Dabo só fez quatro jogos e os outros seis (Balazs, Pedro Campos, Ivo Rodrigues, Kanu, Domingo e Júnior) demonstraram não terem qualidade para o Vitória ou não se adaptaram às exigências do clube, pelo que foram embora.

Esta época, em relação às duas anteriores, foi melhor em termos classificativos pois obtivemos o 5º. lugar. Foi a última época do treinador Rui Vitória que depois de ter vencido a Taça de Portugal conseguiu um feito de ter subido cinco lugares.

Secundino Rodrigues, 63 anos, é reformado da profissão de empregado administrativo. Sócio do Vitória com o número 1.104, gosta de verter a sua paixão pelos números na análise dos resultados do seu clube. Escreve à quarta-feira.