Coura e Guimarães: um amor para cuidar

Sou um fã incondicional de Paredes de Coura. Da vila, claro. Mas, principalmente, do festival. Já experimentei vários festivais portugueses, mas em nenhum me sinto tão em casa como naquele que pisei pela primeira vez há 10 anos.

Como eu, conheço umas dezenas ou centenas de vimaranenses que se identificam com aquela casa como se fosse a sua. Hoje, já com os 30 anos a bater à porta, percebo que não parou de crescer nas novas gerações esta identificação que tenho dificuldade de explicar do concelho de Guimarães com aquele festival.

Nas últimas semanas, há mais dois novos momentos desta relação de paixão.

Os Banhos Velhos, pela mão do seu programador José Manuel Gomes, trouxeram até à Vila Termal o fundador e programador do festival João Carvalho para uma conversa sobre os 25 anos de Paredes de Coura.

Na mesma semana, ficamos a saber que Guimarães terá quatro bandas nos vários palcos da edição deste ano do Festival: Captain Boy, El Rupe, This Penguin can Fly e Toulouse, estando os últimos num dos palcos principais do evento.

Este é um registo digno de orgulhar todo o concelho. Uma espécie de cereja no topo do bolo desta fase emocionante da musica vimaranense. Uma cereja com um sabor muito especial, porque para além de significar a presença de quatro bandas vimaranenses no palco de um dos principais festivais portugueses, significa também a presença no alvo preferencial dos “festivaleiros” locais.

Este é o momento em que sentimos que o amor se tornou bidirecional. Esta relação de paixão de tantos vimaranenses com o “habitat natural da música” é agora correspondida com a atenção pelo que por cá se faz. Não porque é vimaranense, mas porque tem muita qualidade.

Uma relação de puro amor que merece ser bem cuidada e sobre a qual muito se pode construir. Porque muito de bom se faz por cá e por lá.

As bandas vimaranenses e a escola de rock de coura. O anfiteatro natural do Alto Minho e os palcos do Baixo Minho. Estes são adubos naturais para o crescimento deste sentimento. Oxalá ele possa fortalecer-se ao longo dos anos, tornando-se uma relação séria em vez de um amor de verão.

Paulo Lopes Silva, 29 anos, é membro da bancada do Partido Socialista na Assembleia Municipal de Guimarães desde 2009, ano em que foi candidato a presidente da Junta de Freguesia de São Sebastião. Foi membro da comissão de acompanhamento da Capital Europeia da Cultura na Assembleia Municipal. Gestor de Projetos numa consultora de Software do PSI 20, é licenciado em Engenharia Informática e Mestre em Engenharia de Sistemas pela Universidade do Minho. Foi Diretor Nacional de Organização do Partido Socialista entre 2011 e 2014.