Rotundas, outdoors e o nó de Silvares

A política vimaranense fez jus às temperaturas do estio e o termómetro subiu. A Coligação Juntos por Guimarães colocou em plena rotunda de Silvares – o tal nó que diariamente se revela apertado para todos os automobilistas que por lá passam – um outdoor prometendo um viaduto de acesso à auto-estrada. A resposta do PS não se fez esperar e em menos de 24 horas já lá estava – lado a lado com o da oposição – um outdoor dizendo que o projeto está em execução.

gemeas

A indignação chegou via página pessoal do Facebook do vereador do Urbanismo, Amadeu Portilha, na véspera de feriado do dia do município. Na imagem partilhada: um outdoor que a Coligação Juntos por Guimarães colocou na rotunda de acesso à auto-estrada prometendo a construção de um viaduto em 12 meses. Menos de 24 horas depois da partilha do vereador socialista, a concelhia vimaranense veio repor o que considera ser a sua verdade. Um outdoor lembrando: “Desnivelamento do Nó de Silvares garantido por este governo a 16 de março de 2017. Contrato assinado pelo presidente de Câmara, Domingos Bragança. Projeto em execução”.

Não se ficou por aqui. A concelhia socialista reafirma a mensagem uns quilómetros mais à frente, noutra das entradas da cidade, na rotunda que encima a rua D. João IV. O espaço é disputado por este outdoor do PS e ainda um outro da mesma candidatura, com o rosto de Domingos Bragança, referindo-o como “O nosso presidente”. Num outro outdoor, mas da oposição, a mensagem “André Coelho Lima, candidato pela Coligação Juntos”.

IMG_20170627_140012
Outdoor na rotunda da Av. D. João IV

Coligação Juntos por Guimarães propõe viaduto, PS diz já ter túnel garantido

A diferença das propostas da Coligação Juntos por Guimarães e do PS vimaranense passa pela obra a ser feita: se a oposição propõe um viaduto para descongestionar a rotunda de saída da auto-estrada, o PS quer construir um túnel e garante, no outdoor, que o projeto está “em execução”. O partido que tem a maioria na Câmara de Guimarães há mais de 30 anos ainda não veio a público posicionar-se sobre a questão. Nas redes sociais grassam os posicionamentos de vereadores e deputados municipais eleitos pelo partido: na sua publicação, Amadeu Portilha sublinha “esta forma de fazer política, enganando os vimaranenses”. E fala em limites, que são “o da decência na ação e no combate político”.

Já a Coligação Juntos por Guimarães preferiu convocar a imprensa para esclarecer a sua proposta, desconstruindo o argumento dos socialistas que garantem que a obra de desnivelamento de Silvares está incluída no pacote (18 milhões de euros) da construção da via para o Avepark. Aos jornalistas, André Coelho Lima lembrou que a “a criação do desnivelamento da auto-estrada está comprometida desde 23 de dezembro de 2008”, reforçando a consensualidade do projeto e a necessidade, “que está à vista de todos”.

A opção do viaduto é, para o candidato, “substancialmente mais barata”. “Estimamos que esta intervenção custe cerca de um milhão de euros. Será mais rápida, porque consegue-se executar a obra num período máximo de seis meses e com menor constrangimentos para a circulação rodoviária”, referiu.

gil-doce

André Coelho Lima recordou ainda que a Coligação que representa votou contra a via do Avepark, sublinhando que, no documento assinado entre o município de Guimarães e a Infraestruturas de Portugal, (IP) refere apenas o desenvolvimento de um estudo para o nó de Silvares. Socorrendo-se de documentação mais tarde distribuída pela imprensa pode ler-se nesse contrato que a “a IP promoverá o estudo das soluções técnicas que melhor se adequem à melhoria das condições de circulação no nó de silvares de acesso à A11”.