Bota acima!

Nos mais diversos palcos de discussão pública o PS acusa frequentemente a CDU de bota-abaixo. Esta expressão significa crítica destrutiva com a maledicência bem vincada e pouco ou nada disfarçada.

Ora, o que a CDU faz é dar voz aos problemas de Guimarães e dos vimaranenses. A CDU para além de chamar a atenção para os problemas dos vimaranenses faz propostas para a sua resolução.

Mais de 20 anos a poluir o Rio Ave e os executivos a anunciarem diversas soluções para a sua despoluição. Durante este tempo o PS esteve sempre na câmara, enquanto no governo foram alternando PS, PSD e CDS. Ao longo desses anos, em vez de soluções, o que assistimos foi apenas ao enterramento de milhões de euros num rio que continua poluído. Não se foi à raiz do problema. A CDU alertou para a necessidade urgente de despoluir o Rio Ave no passado, denunciando, levando a questão à Assembleia da República e questionando nos órgãos locais. Avançámos com propostas concretas. Hoje continuamos a exigir que o rio seja devolvido à população despoluído e com fiscalização eficaz.

A CDU alertou para as más condições das Urgências do Hospital da Senhora da Oliveira nos órgãos locais e na Assembleia da República. Fizemos propostas na Câmara e na Assembleia da República.  Esta é uma obra urgente que continua a ser empurrada com a barriga, com promessas atrás de promessas. A verdade é que quando os vimaranenses e as populações que recorrem aquele serviço são obrigados a permanecer num local sem condições.

A CDU demonstrou ao longo dos anos uma preocupação legítima com o património. Como aconteceu com o caso da Torre da Alfândega, em que munidos de documentação, exigimos ao executivo camarário que prestasse atenção àquele processo. Fizemos sugestões. Depois de todas as desculpas e argumentos sem qualquer validade, o PS foi obrigado a admitir que estavam errados e que afinal tinham nas mãos um problema gravíssimo de venda de património que é de todos nós. Resolveu-se por intervenção da CDU.

O ambiente esteve sempre na agenda da CDU. Fizemos propostas como a criação de ciclovias, a criação de um mapa das praias fluviais do nosso concelho e um eficaz programa de mobilidade para Guimarães, lutas das quais nunca desistimos.

Hoje a reboque de um título de Capital Verde Europeia, a preocupação com o ambiente entrou na agenda do PS. Mas mais uma vez não passaram de promessas que os vimaranenses esperam ver concluídas para o bem da cidade e dos seus habitantes. No entanto, muitas delas já podiam estar executadas e as dificuldades sentidas hoje na sua concretização não seriam tantas. Para cada uma delas a CDU apresentou alternativas.
Se fosse ouvida a CDU, Guimarães não estaria a reboque de uma moda, mas sim teria sido apontada como uma cidade virada para o futuro.

E assim com alguns exemplos cai por terra a acusação que o PS faz à CDU de ser apenas oposição de bota-abaixo. A CDU é oposição firme, é oposição documentada, é oposição atenta que não só alerta para os problemas como propõe soluções. Afinal quem é que bota-abaixo? Ou Afinal, uma oposição de bota-acima!

Mariana Silva, 34 anos, licenciada em Estudos Portugueses e Lusófonos, na Universidade do Minho. É eleita na Assembleia Municipal de Guimarães desde 2009, eleita na Assembleia da União de Freguesias Oliveira do Castelo, São Paio e São Sebastião desde 2013 e membro do Conselho Nacional do Partido Ecologista “Os Verdes”.
Por decisão pessoal, a autora do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico.