PS entrega listas ao Tribunal: o que muda e o que continua em caso de vitória

O Partido Socialista de Guimarães apresentou esta sexta-feira, 04, as listas para a Câmara, a Assembleia Municipal, juntas e assembleias de freguesias, num total de 1520 candidatos. “Confiante no trabalho” que desenvolveu, Domingos Bragança, que quer ser reeleito presidente de Câmara a 01 de outubro, agradeceu a todos os que se predispuseram a acompanhá-lo neste “combate”.

gemeas

“A proximidade que tive com todas as pessoas, ouvi todas as pessoas que pude, dentro da minha possibilidade fi-lo”, sublinhou Domingos Bragança, para quem uma das suas marcas “essenciais” é “a proximidade às freguesias, todas sem excepção tiveram investimento e todas as freguesias e vilas foram cuidadas como se da cidade se tratasse”.

A aposta de Domingos Bragança está sobretudo na continuidade, quando questionado sobre os projetos que destaca para os próximos quatro anos, no caso de ser eleito: a requalificação da EN105, a requalificação da área desde a Cruz de Pedra à Avenida D. Afonso Henriques, a futura escola-hotel, que ficará instalada na Quinta do Costeado, a extensão da ecovia a toda a linha do rio Ave, a reabilitação das escolas EB 2,3 de São Torcato e Pevidém, a via do Avepark, a instalação do Instituto Cidade de Guimarães.

O candidato sublinhou ainda o “irreversível” parque de Camões para a despedonalização do Centro Histórico e a conclusão dos projetos da Garagem Avenida e do Teatro Jordão, completando assim “a oferta formativa cultural” de Guimarães. Domingos Bragança não concluiu o seu discurso sem antes realçar uma das linhas mestras do mandato que concluí: a candidatura a Capital Verde Europeia.

Educação e Cultura voltam a ser o mesmo pelouro, em caso de vitória do PS

Com a não inclusão de José Bastos, atual vereador da Cultura, na lista do Partido Socialista, o pelouro da Cultura vai voltar a estar agregado à Educação. Adelina Paula Pinto, atual vereadora da Educação e número dois da lista do PS entregue hoje no tribunal, se for reeleita a 01 de outubro assumirá assim ambos os pelouros. “A área da cultura será abraçada pela professora Adelina Pinto, que acumula com a Educação. Como já foi antes, a educação e a cultura ficarão na mesma competência”, antecipou Domingos Bragança.

Já a candidatura a Capital Verde Europeia, que vinha sendo acompanhada pelo vereador Amadeu Portilha (que não se recandidata), ainda não tem candidato destinado. Ganhando as eleições, Domingos Bragança planeia criar uma competência denominada Ambiente e Natureza mas não avançou qual o nome da lista que tutelaria este setor. O cabeça-de-lista do PS aponta como hipótese ser o próprio presidente de Câmara a assumir esta pasta.

Transmissões em streaming e antecipar intervenções dos munícipes? PS disponível para discutir

Cabeça-de-lista à Assembleia Municipal, José João Torrinha aponta como principal desafio tornar a AM “o grande fórum de discussão política dos próximos quatro anos”. “A Assembleia Municipal teve um funcionamento positivo e o que nós pretendemos é dar continuidade a esse funcionamento, melhorando no que for possível, sobretudo que seja a casa comum de todos os partidos representados na assembleia, a casa de todos em que todos se sintam bem”, declarou.

O candidato aponta como uma “necessidade” tornar “as sessões – não deixando de ser vivas e participadas – menos extensas, mais leves”, realçando que este não é um desafio exclusivo do PS “mas de todos os que se vierem sentar naquela assembleia”.

Questionado sobre a possibilidade de as sessões serem transmitidas pela Internet, José João Torrinha realça que esta foi uma questão “profundamente politizada no último mandato” mas que está disponível para discutir. Mostra a mesma abertura para debater a antecipação da intervenção dos munícipes durante as sessões da Assembleia Municipal.

Já António Magalhães, ex-presidente de Câmara e presidente da Assembleia Municipal mas que não se recandidata às próximas eleições, disse que quer dar o seu “contributo de índole político-partidária”: “Naturalmente foi-me solicitado e é uma responsabilidade que eu não podia nem queria rejeitar”.

gil-doce