O barulho das luzes

Setembro continua. As temperaturas baixaram abruptamente, está mais fresquinho na rua e o sol já parece mais envergonhado e pouco aconchegante.

No entanto, a campanha eleitoral fervilha, aquece a cada dia que passa. As entrevistas para todos os órgãos de comunicação social, as propostas de alguns, as promessas de outros. O céu é o limite. Depois do dia 1 de Outubro de 2017 Guimarães será uma cidade exemplar, os projectos são megalómanos, os vídeos promocionais são tantos que se atropelam, o que no passado não podia ser na boca de alguma da oposição, no presente é a grande obra, agora garantidamente melhor.

O ambiente de campanha eleitoral aquece de cada vez que se acendem as brasas para assar os porcos, a sandes de porco gratuitas para “o menino e para a menina”. Aquece de cada vez que se vão buscar as raízes dos nossos irmãos brasileiros e se oferecem caipirinhas.

Voltaram às ruas as canetas, os chapéus, os lápis de cor e as bolas. Tudo serve para encher a mão de quem passa. Não chegam os abraços, os beijinhos, as selfies para as redes sociais.

Hoje damos lápis e canetas, amanhã limpamos o Rio Ave, se o Governo nos ajudar.

Hoje damos porco e caipirinhas, amanhã tratamos dos bairros sociais. Iremos mais longe, não nos ficaremos pela lavagem das fachadas.

Hoje damos chapéus e bolas, amanhã trataremos do transporte público para todo o concelho. Para que a população se possa deslocar para os serviços públicos, para as escolas, para os empregos.

Hoje damos beijinhos e abraços, amanhã trataremos do saneamento para todo o concelho.

Hoje “sorrimos” em todas as rotundas e esquinas das freguesias amanhã será mais fácil atravessar a rotunda de Silvares à “hora de ponta”.

Hoje enchemos as ruas com as caras dos nossos candidatos, amanhã trataremos todas as freguesias de forma igual, cuidando do seu desenvolvimento, da preservação do seu património e da sua identidade.

Os problemas de hoje que prometem resolver amanhã são problemas de um passado bem longínquo, que nos recorda a todos que já podiam e deveriam estar resolvidos. As prioridades não são iguais e por isso a CDU afirma que “não somos todos iguais”. As diferenças estão à vista de quem as quiser ver, as diferenças estiveram em cada assembleia de freguesia, em cada assembleia municipal e em cada reunião de câmara.

Em Guimarães a CDU ofereceu a voz para levar propostas, soluções, denúncias, alertas. Hoje e amanhã a CDU propõe-se a continuar a ser a voz com a qual os vimaranenses podem contar, para que todos problemas da cidade, mesmo aqueles que ao fim de 30 anos continuam a ser promessas “regadas” a porco e a brindes, encontrem o seu caminho para a resolução.

Nas ruas de todo o concelho “cheira” a campanha e enche-se a barriga e o olho ao eleitor.

Mariana Silva, 34 anos, licenciada em Estudos Portugueses e Lusófonos, na Universidade do Minho. É eleita na Assembleia Municipal de Guimarães desde 2009, eleita na Assembleia da União de Freguesias Oliveira do Castelo, São Paio e São Sebastião desde 2013 e membro do Conselho Nacional do Partido Ecologista “Os Verdes”.
Por decisão pessoal, a autora do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico.