O programa

Chegou ao fim a primeira fase da campanha, a que alguns insistem em chamar de pré. Como se alguém acreditasse que, a “guerra” de milhões, desbaratados na dita, não tivesse como objectivo, apelar, mais ou menos descaradamente, ao voto.

No meio desta refrega, a ver quem mais contribuía para a selva de cartazes, o Bloco de Esquerda apresentou, de forma inusitada, porque, pela primeira vez, fora da cidade, o seu programa eleitoral.

Foi na vila de S. Torcato, a mais rural das nove que existem no nosso concelho, através de Sónia Ribeiro, Candidata à presidência da Assembleia Municipal e de Wladimir Brito, candidato a presidente da Câmara.

O programa, para além do que são os princípios políticos do partido, foi elaborado a partir da primeira frase, do “slogan” da campanha ou seja, “Ouvir as pessoas”. Curiosamente, não são as estrondosas propostas, que por aí se vão badalando, as maiores preocupações dos vimaranenses. Foram residuais, as referencias a túneis, viadutos, avenidas ou aeroportos.

Sem ordem de grandeza, as principais preocupações dos vimaranenses, prendem-se com o dia-a-dia. Numa sociedade cada vez mais envelhecida, a acção social assume uma relevância primordial.

Os lares e centros de dia para a terceira idade, que deveriam ser da inteira responsabilidade do estado, estão entregues, na sua quase totalidade, a instituições particulares, as quais, salvo não raras excepções, tem um papel importantíssimo, na oferta deste serviço.

A mobilidade, com saliência para os transportes públicos e escolares. A concessão dos TUG a privados, demonstrou que esta é uma valência, de carácter social, com influência no ambiente.

Linhas mal organizadas, caríssimas e eliminadas quando não dão lucro, leva a que, apenas uma ínfima parte da população, deixe de utilizar o transporte privado, com as consequências ambientais que se conhecem. Também o transporte escolar necessita de ser repensado. Maior abrangência, comodidade e segurança, são factores revelados pelos contributos que chegaram ao BE.

O ambiente, outro dos problemas assinalados, mereceu atenção especial.

O zelo com que a câmara trata a candidatura, a Capital Verde Europeia, vai pouco além centro histórico. O próximo mandato deverá ser preponderante, na cobertura total de água e saneamento, na renovação da frota de veículos de recolha de lixo, doméstico e industrial.

O executivo, quando eleito, tem como função, proporcionar qualidade de vida a todos, repito, todos os habitantes do concelho e não privilegiar, excessivamente, o(s) centro(s) urbano(s) .

Na apresentação do programa, notou-se, tanto em Sónia Ribeiro como em Wladimir Brito, uma forte determinação em “Agir com as pessoas”.

Joaquim Teixeira é deputado pelo Bloco de Esquerda na Assembleia Municipal de Guimarães. É sócio-fundador e atual tesoureiro da associação NCulturas.
Por decisão pessoal, o autor do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico.