Identidade de Conveniências

Quando alguém tem de se proteger de um indivíduo ameaçador é simplesmente um indivíduo.

Quando o mesmo alguém tem de proteger a freguesia “Vermelha” onde vive de uma ameaça externa é “Vermelhense”.

Quando o mesmo alguém, “Vermelhense”, tem de proteger a cidade “Azul” onde vive de uma ameaça externa é “Azulense”.

Quando o mesmo alguém, “Azulense”, tem de proteger o País “Amarelo” onde vive de uma ameaça externa é “Amarelense”.

Quando o mesmo alguém, “Amarelense”, tem de proteger o continente “Verde” onde vive de uma ameaça externa é “Verdense”.

Quando o mesmo alguém, “Verdense”, tem de proteger o planeta Terra onde vive de uma ameaça externa é Terráqueo.

Impelidos pela necessidade inata de sobrevivência, os seres humanos aliam-se de acordo com a natureza de uma ameaça a que estejam sujeitos, eliminando, no limite, todas as divergências que antes os distanciava uns dos outros.

Talvez se o Homem assumisse, não somente por conveniência, mas educacionalmente e de forma perene, a identidade de espécie (humana) como esteio do seu pensamento e comportamento, as diferenças ideológicas, raciais, étnicas, culturais, espirituais e de género que estão tantas vezes na origem de conflitos absurdos fossem apenas aquilo que realmente são: mais-valias para o bem-comum e não justificações irracionais para o ódio, para a discriminação e para a violência…

Luís Fonseca, nascido em 1978, é Licenciado em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra e especialista em Psiquiatria. Exerce a sua actividade profissional em funções públicas no Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Hospital da Senhora da Oliveira em Guimarães. Imbuído de uma veia artística ecléctica desde tenra idade, tem-se dedicado à escrita e à música, tendo já editado vários trabalhos nestas áreas (PáginaWebLuísFonseca).