Ciclo EGO dá o primeiro palco vimaranense aos Grandfather’s House

Os Grandfather’s House tocam pela primeira vez em Guimarães, no próximo dia 27 de janeiro, na abertura do ano de programação EGO, promovido pela Capivara Azul – Associação Cultural. Acontece no Centro para os Assuntos da Arte e Arquitectura (CAAA), a partir das 22h30. Nos primeiros três meses do ano, o ciclo continua com os Quadra e os italianos Plastic Man.

Granfather's House.jpg
Grandfather’s House atuam a 27 de janeiro, no trimestre “Inconsciente”

“Diving”, o segundo disco de Grandfather’s House, foi recentemente considerado pelos leitores da revista Blitz como o segundo melhor do ano em Portugal, prova do apreço que o público tem pela banda de Braga. Com mais de 300 concertos no país – bem como duas digressões europeias – e passagens por palcos míticos com o do festival Paredes de Coura e o da Festa do Avante, esta é uma das jovens bandas portuguesas com mais experiência de palco nos dias que correm.

O novo álbum de Grandfather’s House teve lugar de destaque na generalidade das listas dos melhores álbuns nacionais de 2017. Segue-se a “Slow Move”, o primeiro longa-duração, de 2016, também muito bem recebido pelo público e a crítica.

No registo lançado em Setembro, a banda abraça o “synth-pop”, resultado de uma residência artística no espaço gnration (Braga). Conta com as participações de Adolfo Luxúria Canibal, Nuno Gonçalves e Mário Afonso, na voz, teclados e saxofone, respetivamente.

Grandfather’s House nasceu em 2012 como um projecto one-man-band do guitarrista Tiago Sampaio, a que se juntou, pouco tempo depois, a sua irmã Rita Sampaio, na voz e sintetizadores. Recentemente, a banda anunciou uma mudança de composição com Ana João Oliveira a assumir a bateria.

As entradas custam 3 euros.

O ano de programação do EGO, da responsabilidade da Capivara Azul, organiza-se em torno de três ciclos trimestrais: inconsciente, pré-consciente e consciente. O primeiro trimestre será marcado pelo conceito de inconsciente e vai incluir ainda os Quadra, quinteto também oriundo de Braga, que faz a sua música dentro do universo pós-rock.

Quadra.jpg
Quadra são originários de Braga

A banda constituída por Sérgio Alves (baixo), Sílvio Ren (guitarra), Lucas Palmeira (teclas), Hugo Couto (bateria) e Gonçalo Carneiro (guitarra) vai apresentar-se em Guimarães a 24 de Fevereiro, trazendo consigo algum do material que vai constar do seu primeiro disco, a editar no mês seguinte.

 

Em 2017, os Quadra lançaram o seu primeiro EP, considerado pelo site especializado em música portuguesa Produto Interno Bruto como um dos melhores nacionais do ano. A banda foi também apontada como uma das 20 revelações nacionais para a publicação Thres Hold Magazine.

Em Março, chegam os primeiros convidados internacionais do ano no ciclo EGO. São os Plastic Man, vindos dos arredores de Florença, em Itália, para mostrar a sua música influenciada por compilações psych dos anos 1960 e uma mistura de estilos que vai buscar influências ao acid rock, garage punk e stoner.

Plastic Man.jpeg
Os italianos Plastic Man atuam a 09 de março.

Raffaele Lampronti (guitarra e voz), Donato Guitto (guitarra e voz), Mattia Gabbrielli (baixo e voz) e Giacomo Papini (bateria) juntaram-se em 2013, criando o seu primeiro EP de quatro faixas, “Light & Dark”, editado em vinil pela Misty Lane. Dois anos depois, lançaram o álbum de estreia, “Don’t Look at the Moon”, que lhes valeu grande exposição um pouco por toda a Europa, com concertos na Alemanha, França, Suíça, Inglaterra, Bélgica e Holanda.

 

Nunca tocaram, no entanto, em Portugal. Fazem a sua estreia em Guimarães a 9 de março, num concerto em que vão mostrar o material do novo trabalho discográfico, “Sounding Aquarium”, que tem edição para Abril de 2018 pela Annibale Records.

O ciclo de programação EGO, promovido pela Capivara Azul – Associação Cultural, estreou-se em Novembro do ano passado, com um concerto duplo internacional – as norte-americanas Leggy e os bascos Albert Cavalier – a que se seguiu a apresentação do projecto de música improvisada Krake, do baterista Pedro Oliveira (peixe : avião, Dear Telephone). A intenção desta iniciativa é trazer a Guimarães projectos musicais que toquem pela primeira vez na cidade, com especial atenção ao território do rock alternativo.

Ao longo do 2018, a programação regular deste ciclo terá o apoio da Câmara Municipal de Guimarães, através do  Regulamento de Atribuição de Subsídios às Atividades das Entidades que Prossigam Fins Culturais, Artísticos, Recreativos ou Humanitários do Município de Guimarães. Tem como parceiros o Centro para os Assuntos da Arte e Arquitectura, Estúdio Lobo Mau, Cerveja Letra e a Rádio Universitária do Minho.