O mundo ao contrário…

É com muito gosto que inicio esta colaboração com o Duas Caras. Poder partilhar a visão que tenho sobre vários assuntos do nosso dia-a-dia é sempre um prazer e por isso agradeço esta oportunidade.

Preferencialmente abordarei temas da nossa comunidade, inspirado na análise aos assuntos que marcam a agenda política Vimaranense, o que não significa que apenas a esses me limite. Nas últimas semanas foram tantos os acontecimentos sobre os quais não fiquei indiferente, que me lembrei do título de uma canção dos Xutos, “o mundo ao contrário”.

O massacre perpetrado pelo poder Sírio em Ghouta Oriental, onde morreram mais de 250 pessoas, com um número significativo de crianças, leva-me a uma pergunta constante. Será que não há ordem internacional que coloque um ponto final nisto? Vamos continuar até quando a assistir indiferentes a este extermínio?

Donald Trump defendeu, como medida de combate aos massacres juvenis que acontecem regularmente nos EUA, que os professores devem passar a estar armados. No meu tempo de escola as “armas” da professora, para além da sua sabedoria, eram a régua e a cana. Não seria melhor proibir o uso de armas pessoais no país, evitando que qualquer cidadão tenha um exército em casa?

A maioria de esquerda no Parlamento Nacional num mesmo dia aprovou legislação que permite a presença de animais nos restaurantes, ao mesmo tempo que chumbou uma proposta de criminalização de quem abandone os seus familiares idosos. Há dias em que a Assembleia devia tirar férias.

Por Guimarães tivemos recentemente o anúncio da intenção da autarquia concluir a circular urbana. Dei por mim a pensar se tinha lido esta proposta no programa do Partido Socialista, tendo em conta que as eleições foram há pouco mais de quatro meses. Não, não li nem era esta uma das prioridades do PS, mas sim da Coligação Juntos Por Guimarães. Não tem mal algum que a Câmara aproveite as propostas da Coligação, até ficamos satisfeitos por vermos que contribuímos para o desenvolvimento do concelho mesmo estando na oposição. A questão de fundo é sempre a mesma, Guimarães continua sem uma estratégia de desenvolvimento clara, estruturada e pensada a longo prazo, mas sim é conduzida ao sabor do vento.

Uma nota final para felicitar os meus companheiros André Coelho Lima e Alexandre Barros da Cunha pela recente eleição para os órgãos nacionais do PSD. Ao escolher Coelho Lima para o seu grupo de trabalho, Rio reconhece-lhe o enorme potencial politico. É sempre bom para Guimarães ter filhos da terra nos órgãos nacionais de instituições credíveis.

Um abraço

Bruno Fernandes

Bruno Fernandes tem 39 anos e é licenciado em Contabilidade e Administração de Empresas. É Vereador eleito pela Coligação Juntos por Guimarães e foi Presidente da Junta de Freguesia de São Torcato.