Vira o Disco…

O PS de António Costa é o PS de José Sócrates!

Bastará constatar que no governo de António Costa estão cerca de trinta governantes, a começar pelo próprio António Costa é bom nunca o esquecer, que já tinham integrado como ministros, secretários de estado ou membros dos gabinetes o governo de José Sócrates.

Mais os que no governo ou fora dele continuam a integrar os orgãos nacionais do PS como já integravam no tempo de Sócrates.

São as mesmas pessoas, a mesma forma de fazer política, o mesmo conceito do que é a ligação entre política e negócios, a mesma falta de respeito pela oposição, o mesmo primado da “xico espertice” na gestão da “res publica”.

Trinta!

É , acima de tudo, o silêncio cúmplice com tudo que Sócrates fez no governo e que levou o país à quase bancarrota e o silêncio cobarde mesclado de um constante assobiar para o lado face aos espantosos sinais de riqueza do “chefe” e aos inúmeros casos que manchavam a sua carreira política, profissional e académica.

Foi mais de uma dúzia de anos em no PS quase ninguém viu nada, quase ninguém desconfiou de nada, quase ninguém foi capaz de se por à parte daquela pouca vergonha que se ia conhecendo mas que no PS era um verdadeiro tabu porque a carne é fraca e o poder afrodisíaco.

E quando se fala no PS não estamos a falar apenas da direcção nacional do partido, dos membros do governo ou dos deputados no parlamento nacional ou no parlamento europeu entre outros responsáveis nacionais.

Não.

Estamos a falar das Federações distritais e das organizações concelhias que num grau de responsabilidade evidentemente menor mas nem por isso isentas de… responsabilidade também pactuaram com esse estado de coisas.

Foi o caso, por exemplo , do PS de Guimarães.

Que nunca , mas mesmo nunca, teve uma palavra de duvida, de inquietação, de estranheza pela governação de Sócrates (pedir uma palavra de critica ou de divergência seria evidentemente demasiado para uma secção tão obediente ao chefes) mesmo quando na assembleia municipal a oposição criticava, apresentava factos e argumentos que eram impossíveis de contrariar face às evidências que constituíam.

Nunca duvidaram, nunca viram, nunca suspeitaram.

Bem pelo contrário reagiram (como curiosamente reagem agora) sempre com um ar de virgens ofendidas, mostras de grande indignação e acusações de que a oposição não só não tinha razão como não defendia os interesses de Portugal.

Porque no opinião do PS de Guimarães quem defendia os interesses de Portugal era José Sócrates e o seu governo!

Deu no que deu.

E quando os portugueses se fartaram de Sócrates e do seu governo, recearam a bancarrota e puseram termos ao desvario derrotando o PS em eleições, nem nessa altura se ouviu do PS vimaranense uma palavra de arrependimento, de contrição, de reconhecimento de que se tinham enganado.

E mesmo hoje, sabendo-se tudo que se sabe, continua essa palavra sem ser dita!

Passaram entre os pingos de chuva como se não fosse nada com eles, varreram Sócrates para debaixo do tapete e seguiram em frente como se o “ontem” tivesse sido um século atrás e a memória das pessoas fosse como a dos peixe palhaço que dura uns segundos ao que se diz.

E quando a Sócrates sucedeu António José Seguro, esse sim que nada tinha a ver com a pouca vergonha e sempre tinha mantido uma distância enorme em relação aos erros e tudo o mais do antecessor (demarcando-se especialmente da mistura entre política e negócios), o apoio que lhe deram foi muito mais de conveniência, de não perderem o comboio, do que de pura convicção como se veio a comprovar no dia em que António Costa rasgou o acordo que com ele tinha celebrado e lhe deu uma facada nas costas candidatando-se à liderança ao contrário do que se tinha comprometido a não fazer.

Nesse dia entre as muitas mãozinhas que seguravam a “faca” que Costa cravou em Seguro estava também a mãozinha do PS de Guimarães que na sua enorme maioria já se bandeara para o outro lado deixando cair um líder a quem haviam prometido apoio e alinhando nas hostes que, com razão (às vezes também acertam…) , supunham favoritas a vencer.

O resto da história é conhecido.

Os “Seguristas “ de Guimarães que não quiseram alinhar no “virar de casaca” , de que o maior exemplo é Miguel Laranjeiro rapidamente apeado do seu lugar de deputado sem qualquer vantagem para o PS (mas isso é problema deles), foram varridos para um canto enquanto outros fizeram um rápido “reset” na esperança de que o passado fosse esquecido e pudessem ter o seu lugarzinho na carruagem dos vencedores como nalguns casos veio a acontecer.

São factos.

E por isso quando se olha para o PS de Guimarães vê-se o PS de António Costa e quando se vê o PS de António Costa vê-se o PS de José Sócrates.

São os mesmos!

Porque os que tinham realmente vergonha do que o PS  andou a fazer no governo e no país, esses, eram os do PS de António José Seguro que o PS de Costa e Sócrates mandou para casa mal pôde e da forma que se sabe.

P.S. É factual que a campanha de António Costa para a liderança do PS (contra António José Seguro) foi apoiada financeiramente, entre outros, por Carlos Santos Silva o “banqueiro” privativo de José Sócrates.

“Farinha” do mesmo “saco” e em vários sentidos diga-se de passagem.

Luís Cirilo Carvalho, 58 anos, é deputado municipal eleito pelas listas do PSD. Já liderou a concelhia do partido e foi deputado à Assembleia da República 1999 e 2005 na bancada social-democrata. Foi governador civil entre 2002 e 2003. Passou pelo Vitória Sport Clube como dirigente.
Por decisão pessoal, o autor do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico.