As lutas!!!

Hoje está um dia lindo de sol, as temperaturas que se fazem sentir de manhã indicam que teremos um dia de Primavera quente.

Hoje as lutas estão na rua!!!

Em Lisboa terá lugar, às 14:30, a Manifestação Nacional de Professores e Educadores, luta com a qual me identifico porque sofri na pele algumas das injustiças que a cada novo mandato legislativo são provocadas na classe dos professores.

Num outro tempo, bem lá no passado, os professores eram respeitados porque para além de transmitirem saberes e conhecimento, eram elementos essenciais na sociedade. Os professores contribuíram e contribuem, ainda hoje, de uma forma muito intensa para o desenvolvimento da sociedade e para a evolução do ser humano, enquanto cidadão livre, crítico e participativo.
No entanto, a cada ano lectivo, a cada novo Ministério da Educação, os velhos problemas vão se mantendo e as novidades servem, quase sempre, para prejudicar uma profissão que por si só já é desgastante. Hoje os professores de todo o país vão lutar mais uma vez, por melhores horários, por medidas que combatam o desgaste e o envelhecimento da profissão.

Vão lutar pela reposição de 9 anos de serviço que o Governo parece querer esquecer mesmo depois de se ter comprometido a devolver os direitos de todos os que viram as suas profissões congeladas. Lutam pelo fim do trabalho precário, porque existem professores com mais de 20 anos de carreira que ainda continuam com as malas às costas de contrato em contrato, de escola em escola, sem que lhes seja dada a possibilidade de evoluírem na carreira.

Lutam contra a violência a que estão sujeitos, todos os dias, por parte dos alunos ou familiares, e que ao contrário da violência no futebol, a violência contra professores não vende jornais nem sequer merece comentários do senhor Presidente da República que deveria ficar “vexado” com a frequência a que ocorrem. Por estes motivos e muitos mais que não cabem neste artigo, hoje os professores de todo o país estarão na rua em luta.
Hoje as lutas estão na rua!!!

No Porto terá lugar, às 15h, a Marcha contra Bayer/Monsanto. Uma marcha que relembra que todos devemos rejeitar os organismos geneticamente modificados (OGM) e a utilização de produtos químicos fitofarmacêuticos, como o glifosato no dia-a-dia das localidades e na alimentação. Uma luta pela saúde das populações e pela preservação da biodiversidade. Pelo direito a uma alimentação saudável, informada e de qualidade que não pode continuar a ser negado às populações para a satisfação do lucro desmedido das multinacionais.

Temos que dizer basta! Os micro, pequenos e médios produtores agrícolas não podem continuar reféns de empresas monopolistas agro-químicas, com todo o prejuízo económico que tal situação implica para o desenvolvimento económico do nosso país, bem como com o enorme risco resultante dos OGM e dos químicos associados para a nossa saúde, para o património biológico do planeta, para as nossas linhas de água e lençóis freáticos, para a vida de uma forma geral. Negar o normal desenvolvimento das espécies, da agricultura tradicional e biológica às populações é, na verdade, confiná-las à pobreza e à fome.

Dia 19 de Maio de 2018 é um dia em que os portugueses são chamados a reflectirem e a lutar, porque só na rua, com a liberdade que o 25 de Abril nos deu, somos capazes de exigir melhores condições de trabalho. Só na rua seremos capazes de mostrar a força do povo que irá continuar a exigir mais e melhor qualidade de vida.

Mariana Silva, 34 anos, licenciada em Estudos Portugueses e Lusófonos, na Universidade do Minho. É eleita na Assembleia Municipal de Guimarães desde 2009, eleita na Assembleia da União de Freguesias Oliveira do Castelo, São Paio e São Sebastião desde 2013 e membro do Conselho Nacional do Partido Ecologista “Os Verdes”.
Por decisão pessoal, a autora do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico.