Aqui é só Vitória

Nós somos fruto do nosso passado, mas jamais podemos ser seus prisioneiros. Hoje, no momento em que pisarem o Estádio D. Afonso Henriques, começa o resto das vossas vidas. Não importa se é o vosso primeiro dia com o Rei ao peito, se já estão cá desde a época passada ou se já estão aqui há várias épocas. Vejam o dia de hoje como uma oportunidade de recomeçar.

Hoje, que se inicia a época 2018/19, espero que o passado nos sirva de lição e que sejamos capazes de ver o presente e o futuro como oportunidades para sermos aquilo que queremos ser (e levar este clube a tornar-se aquilo que neste momento apenas existe nas nossas mentes).

Hoje, a nova página da História do Vitória Sport Clube começa COM VOCÊS! Vocês são o exército do Rei e foram escolhidos para defender este Castelo, esta Cidade e este Clube com todas as vossas forças.

Sejam bem-vindos ao Estádio D. Afonso Henriques! Sejam bem-vindos a Guimarães! Sejam bem-vindos ao VITÓRIA SPORT CLUBE!

Aqui nós somos bairristas, orgulhamo-nos das nossas origens e somos apegados a esta terra de uma forma que se torna quase doentia.

Aqui já se sofreu muito e desse sofrimento renasceu, quase que das cinzas como uma fénix, uma cidade com capacidade de reinvenção e mutação.

Aqui servimo-nos da força, coragem e competência para alcançar os nossos objetivos.

Aqui é nos incutido desde o berço um respeito e carinho especial pelo chão que pisamos, afinal de contas, aqui nasceu o Primeiro Rei de Portugal (e Portugal também para o caso de não terem visto ou não terem percebido o que está escrito na muralha que se encontra no centro da cidade).

Aqui D. Afonso Henriques lutou contra a própria Mãe para realizar o seu sonho de construir um país independente de Leão e Castela.

Aqui D. Afonso Henriques passou a intitular-se Rei e foi desde aqui que começou a alargar os seus domínios, conquistando territórios aos mouros do Sul e aos leoneses do Leste.

Aqui D. Afonso Henriques começou este estado imperfeitamente perfeito que é Portugal. D. Afonso Henriques foi o seu “inventor” (“Ele” é o senhor que trazem todos os dias ao peito. “Ele” é D. Afonso Henriques, o Conquistador).

Aqui cruza-se o presente e o futuro a cada esquina.

Aqui vive-se, partilha-se e SENTE-SE uma paixão tão platónica como real pelo Vitória.

Aqui é-se vitoriano antes mesmo de se ser cidadão português (a sério, as crianças acabam de nascer, ainda nem sequer foram registadas, mas já são sócias do Vitória).

Aqui nós não sabemos o que é “o Guimarães”, aqui nós defendemos o nosso clube até às últimas consequências.

Aqui não há segundas oportunidades para ser feliz ao fim de semana. Ou somos felizes com o Vitória a ganhar ou a cidade inteira anda de mau humor a semana inteira.

Aqui a cidade para completamente em dias de jogo no D. Afonso Henriques. Aqui, neste mesmo estádio que hoje pisam, o coração e a razão fundem-se numa sensação impossível de descrever, que nos faz sentir cada toque na bola, cada remate à baliza, cada cântico como se eles estivessem a acontecer dentro de nós.

Aqui, no nosso estádio, no nosso Castelo é possível sentir toda a vibração, todo o respirar, todo o desejo de vitória. Aqui, em dia de jogo, daquelas bancadas, sente-se um pulsar quase palpável que vos encaminha(rá) para a vitória.

Aqui não há jogadores, treinadores, dirigentes e adeptos. Aqui nós somos uma FAMÍLIA e sabemos que juntos somos muito mais fortes (até o Stitch sabe que “Ohana quer dizer família. Família quer dizer nunca abandonar ou esquecer.”)

Aqui os sentimentos intensificam-se a cada segundo e à medida que os pulsares se tornam mais intensos, as vozes vão-se multiplicando, os gritos vão ecoando das bancadas e juntos tornámo-nos invencíveis e conquistámos a baliza dos adversários.

Aqui nós somos exigentes. “Ganhar não é tudo, mas QUERER VENCER É”, já o dizia Vince Lombardi. Nós conseguimos perdoar uma derrota, mas nós jamais perdoamos a falta de vontade de vencer. Querer vencer é o passo mais importante na conquista.

Aqui a força da tradição e a magia sobrepõem-se à corrida da vida e o tempo quase que se congela naqueles 90 minutos em que a bola rola no D. Afonso Henriques.

Aqui nasceu Portugal!

Aqui o nosso coração só tem uma cor: PRETO E BRANCO. Aqui é só VITÓRIA!

Sandra Fernandes, 27 anos, é orgulhosamente vimaranense, Vitoriana e Potterhead. É licenciada em Ciências da Comunicação pela Universidade do Minho, Mestre em Gestão Desportiva pela Faculdade de Desporto da Universidade do Porto e Especialista em Organização de Eventos e Protocolo Desportivo pela Universidad Camilo José Cela. O coração costuma falar mais alto do que a razão quando se trata do Vitória, mas vai tentar partilhar o que lhe vai na alma à segunda-feira.