A CDU esteve lá!

LJ-CC-AS100-2

A Assembleia Municipal de Guimarães realizou, esta semana, mais uma sessão ordinária. Passado um ano desde as eleições autárquicas aproveita-se o espaço que este órgão dá a todos os grupos para se fazer uma espécie de balanço.

O primeiro ano não correu assim tão bem para o executivo PS como nos querem fazer acreditar. Os grandes cartazes a anunciar a solução imediata para o desnivelamento da rotunda de Silvares afinal não passou disso mesmo, um dos 30 compromissos do PS em tempo de campanha eleitoral.

A primeira fase da Ecovia, que foi inaugurada no sábado passado com pompa e circunstância, tinha sido anunciada para o final de 2017, visto que se prometia realizar a obra em 180 dias. Demorou mais 9 meses, mas estas questões são menores, o que interessa é que se inaugurou e o executivo pode fazer mais um visto na realização de promessas, mesmo que continue muito aquém das necessidades de deslocação dos vimaranenses casa – escola ou casa – trabalho ou mesmo para o comércio tradicional.

Já que falamos em atrasos camuflados, podemos falar de mais um. A CDU em Guimarães esteve sempre atenta aos problemas do Centro de Recolha Oficial (CRO) para animais errantes, vulgarmente chamado de canil/gatil municipal, fazendo várias intervenções na assembleia municipal em mandatos distintos, apresentando propostas aquando da discussão pública do regulamento do CRO e, como não podia deixar de ser, estivemos também presentes na inauguração da sala de cirurgias, inaugurada em Fevereiro de 2018.

Este serviço, que não existia no CRO de Guimarães, surge da nova lei que proíbe o abate dos animais saudáveis, como medida de controlo da população, dando lugar à esterilização para esse efeito. Desta forma, e com uma atenção tão próxima a este serviço municipal, a CDU questionou através de um requerimento o número de esterilizações no primeiro mês. Este requerimento deu entrada nos serviços a 5 de Abril de 2018 e até à primeira sessão da AM, dia 24 de Setembro, ainda não tínhamos recebido resposta. Ao fim de 5 meses na intervenção dedicada à análise da actividade da câmara resolvemos questionar o senhor presidente Domingos Bragança sobre os números do trabalho efectuado no CRO.

Porém, só numa segunda intervenção e com muita insistência é que o senhor presidente resolveu debitar os números que lhe tinham sido fornecidos. Números que me espantam, por não baterem certo com as promessas feitas em Fevereiro, números que nos deixam a pensar o que se terá passado durante este quase meio ano depois da inauguração da sala de cirurgias.

Acompanhem-me. De acordo com a informação do Presidente da Câmara, terão sido esterilizados 150 gatos e 59 cães. No entanto, na intervenção feita no dia da inauguração, eram prometidas 100 esterilizações por mês.

Na Guimarães TV podemos ler: “As esterilizações são gratuitas e serão realizadas em todos os cães e gatos do CRO. Quem fez adopções recentes pode também solicitar a esterilização, sem custos, desde que apresente o respectivo comprovativo da adopção. Em média, serão realizadas 100 adopções por mês. Uma vez que há a necessidade do animal permanecer durante, pelo menos, 48 horas, em recobro.”, 21 de Fevereiro e 2018. No Reflexo podemos ler: “Canil/gatil de Guimarães vai esterilizar 100 animais por mês”, 24 de Fevereiro de 2018.

Ora, se foram recolhidos 808 animais e dados para adopção 667, só em 2017, e se era previsível, como afirmou a veterinária municipal, a realização de 100 esterilizações por mês, deveríamos estar a contar com números superiores. Passados 5 meses seriam pelo menos 500 esterilizações. Com o mês de férias e ainda sem enfermeira, poderíamos baixar para os 400 animais esterilizados. Contudo, os números oficiais revelam ao todo pouco mais de 200 esterilizações.

Um jornal local apressou-se a fazer notícia destes números, sem reflexão, sem referir que estes números foram revelados porque a CDU questionou na Assembleia Municipal, sem ouvir a opinião da oposição sobre os mesmos. Os números fazem capa, a notícia ocupa uma página inteira e nem uma linha sobre o trabalho da CDU sobre este tema. Mesmo que alguns teimem, deliberadamente, em escondê-lo, a CDU esteve lá.

Apetece-me dizer que “aqui há gato”, tanto nos números oficiais do CRO, como noutras áreas da sociedade vimaranense.

Mariana Silva, 36 anos, licenciada em Estudos Portugueses e Lusófonos, na Universidade do Minho. É eleita na Assembleia Municipal de Guimarães desde 2009, eleita na Assembleia da União de Freguesias Oliveira do Castelo, São Paio e São Sebastião desde 2013 e membro do Conselho Nacional do Partido Ecologista “Os Verdes”.
Por decisão pessoal, a autora do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico.