Bom Ano!

O ano que se iniciou apresenta-se desafiante. Um ano de reflexões, de balanços, de decisões. Todos seremos novamente chamados a participar de forma activa e responsável.

Em 2019 teremos três actos eleitorais, o primeiro para o Parlamento Europeu, o segundo na Região da Madeira e o terceiro momento serão as Legislativas. Será um ano de renovação da esperança e de acreditarmos que podemos fazer mais e melhor para o desenvolvimento de Portugal.

É importante percebermos que 2019 pode ser o ano para avanços.

Para avançar na devolução de direitos e em mais e melhores respostas aos problemas das pessoas, das populações, do país.

Para avançar nos investimentos na educação, na saúde, na cultura, na economia, na agricultura em todas as áreas que se viram afectadas pela crise e que pouco a pouco foram recuperando sem que essa recuperação fosse suficiente e a necessária.

Para avançar nas resposta aos problemas ambientais quando a cada dia que passa percebemos que as alterações climáticas terão uma influência muito negativa em todas as áreas. Não nos podemos esquecer dos constantes ataques aos rios e ribeiras de todo o país, nem das constantes ameaças à floresta autóctone e à agricultura.

Para avançar nos direitos dos trabalhadores sem que se permita que os retrocessos tenham lugar. O fim do trabalho precário, no público e no privado, permitindo que cada um possa construir a sua vida sem as incertezas dos laços laborais quase inexistentes.
Para avançar na defesa da soberania do país e na defesa da paz e da cooperação.

No entanto para avançar, temos que caminhar em frente e não andar para trás, garantindo mais força aos que estão associados ao que de melhor se conseguiu nestes últimos anos.

Apoiar os que lutam todos os dias, os que estão sempre presentes nas horas boas e más significa avanços e o compromisso com o futuro. Reforçar a acção ecologista é dar mais força a esse objectivo e às propostas que o materializam, assim como uma alternativa política transformadora que zela pela Natureza, pela qualidade de vida e pelos direitos dos cidadãos.

Mariana Silva, 36 anos, licenciada em Estudos Portugueses e Lusófonos, na Universidade do Minho. É eleita na Assembleia Municipal de Guimarães desde 2009, eleita na Assembleia da União de Freguesias Oliveira do Castelo, São Paio e São Sebastião desde 2013 e membro do Conselho Nacional do Partido Ecologista “Os Verdes”.
Por decisão pessoal, a autora do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico.