TITANIC ! OU QUASE…

Duas caras banner copiar

Passados alguns dias sobre as eleições europeias, e respectivos contentamentos e descontentamentos, importa agora com base nos resultados de 26 de Maio olhar para o futuro com olhos de ver se possível.

E olhar com olhos de ver significa, desde logo, reconhecer com o máximo de frieza os resultados obtidos pelas principais forças políticas e perceber até que ponto esses resultados devem (se vão ou não mais tarde se saberá) influenciar as opções estratégicas que cada partido fará para o futuro próximo.

Há uma primeira constatação a fazer,  sem a qual nada fará sentido, e que aponta para uma inequívoca vitória da esquerda e uma enorme derrota da direita que teve nestas eleições o seu pior resultado em mais de quarenta anos.

Um naufrágio em toda a linha, com protagonistas vários mas resultado comum, que se não for entendido na sua plenitude pode significar um longo período de afastamento da esfera do poder.

Para que não haja existam duvidas há que analisar individualmente o resultado dos principais partidos da área não socialista deixando apenas de fora os resultados da direita radical (Basta e PNR) por manifestamente não se prever que possam, por várias razões, integrar qualquer solução de futuro.

O PSD obteve o seu pior resultado de sempre em eleições nacionais.

Nem nos dificílimos tempos do PREC, em que não era nada fácil ser do PPD, o partido obteve um resultado tão mau e pese embora a bondade com que internamente alguns olham os resultados de hoje, por contraponto com o rigor com que olharam alguns resultados de ontem, é fácil concluir que o PSD não tem qualquer hipótese de, sozinho, ser alternativa ao PS.

Nenhuma!

Pode ser complemento, contrariando a sua matriz histórica, mas alternativa não é nem será.

O CDS teve, também ele, um muito mau resultado.

Embalado no “canto de sereia” dos resultados das autárquicas em Lisboa, obtidos em condições irrepetíveis por várias razões e principalmente porque o PSD apresentou a sua pior candidatura de sempre (sim,pior que o Macário…) ao município da capital, o CDS andou toda a campanha a falar em dois ou três deputados e acabou a discutir o quinto lugar com o PAN que chegou a dar a sensação de poder ficar à frente dos centristas no resultado final da eleição.

Um duro reencontro com a sua realidade que deve ser inteiramente percebido no Largo do Caldas sob pena de ainda piorar em Outubro.

A Iniciativa Liberal, provavelmente autora dos melhores outdoors de campanha e de alguns dos “sound bytes” mais interessantes , percebeu no “terreno de jogo” que criatividade e imagem não bastam se depois não houver um reconhecimento eleitoral por parte dos cidadãos quer da “marca” quer da utilidade do voto.

E isso, manifestamente não aconteceu.

Finalmente a Aliança.

Partido de gente bem disposta , bem humorada e com uma visão optimista do futuro foi comum o sentimento de satisfação pelo facto de o  partido ter subido  a sua votação em todas as freguesias, todos os concelhos e todos os distritos do país como se dizia na noite eleitoral pela sede da Aliança.

Brincadeira à parte é evidente que o resultado obtido ficou aquém das expectativas e não sendo comprometedor quanto a um futuro auspicioso deixou, ainda assim, um amargo de boca pelo facto de tendo uma lista de qualidade e tendo feito uma campanha a discutir exclusivamente assuntos europeus (ao contrário de outros com bem maiores responsabilidades,advindas de já terem representação em Bruxelas, que discutiram tudo menos a Europa…)não ter obtido uma votação que permitisse, pelo menos, a eleição de Paulo Sande que era de longe o mais bem preparado dos cabeças de lista no que toca a assuntos europeus.

Sabemos que houve factos que contribuíram para isso, e as dificuldades no acesso ao espaço televisivo em igualdade com os partidos do costume não foram seguramente o menor deles, mas não vale a pena chorar sobre leite derramado e há que aceitar com “fair play” aquilo que foi a decisão do povo.

Em suma à direita do PS não há nenhum partido que possa ter razões para estar satisfeito embora, naturalmente, alguns tenham bem mais razões para estarem insatisfeitos do que outros.

Importa agora o futuro.

E a questão é aterradoramente simples; tem ou não a área não socialista condições para ser alternativa ao PS e aos seus amigos de BE e PAN (porque o PCP não acredito que volte a meter-se em geringonças) nas eleições de Outubro?

Mais, querem todos os partidos dessa área serem realmente alternativa ou haverá um ou outro que prefira ser complemento de um governo de António Costa?

A Aliança deixou há muito tempo, pela boca do seu líder Pedro Santana Lopes, a sua posição claramente expressa.

Nunca viabilizará um governo do PS e está disponível para ajudar a construir uma alternativa sólida e galvanizadora dos portugueses para derrotar a Frente de Esquerda e devolver Portugal ao caminho da boa governação.

Para isso manifestou a sua disponibilidade para uma coligação pré eleitoral com outros partidos da área não socialista para que em conjunto possam almejar a conquista daquilo que separados nunca nenhum deles conseguirá.

Disse-o muito antes das eleições europeias, está dito e ninguém espere que vá repeti-lo outra vez.

Agora são  outros os que deverão pronunciar-se…

P.S. Ficando contudo bem claro que a Aliança não terá qualquer problema, bem pelo contrário, em apresentar-se às legislativas de Outubro com listas próprias.

Somos um partido de implantação nacional e estamos preparados para o fazer em todos os distritos, regiões autónomas e diáspora.

Sem qualquer receio!

Luís Cirilo Carvalho, 58 anos, já liderou a concelhia do partido e foi deputado à Assembleia da República 1999 e 2005 na bancada social-democrata. Foi governador civil entre 2002 e 2003. Passou pelo Vitória Sport Clube como dirigente. É director executivo do partido Aliança desde Outubro de 2018 e foi recentemente reconduzido para um mandato de três anos.