A Lei da Rolha

O mundo, e supõe-se que Guimarães também, vive em pleno século vinte e um!

Vive no tempo das telecomunicações, da internet, das televisões digitais, dos smartphones, das redes sociais, dos e-book e de tantas outras maravilhas que a evolução tecnológica trouxe a quem quer comunicar.

Mas qual pequena aldeia gaulesa, da genial banda desenhada de Astérix, há quem queira fazer da Assembleia Municipal de Guimarães um pequeno reduto cercado de novas tecnologias por todo o lado mas que a elas resiste com a força de uma “poção mágica” que não é a do druida Panoramix mas sim a do voto conservador e desfasado dos tempos das hostes do Dr. “Dominguix Bragantix”.

A história é conhecida e conta-se depressa.

Hoje, fruto das inovações tecnológicas, é perfeitamente possível que as sessões de uma assembleia municipal possam ser transmitidas em directo no “You Tube” com custos insignificantes e permitindo a quem esteja interessado no desenrolar das sessões  seguir os seus trabalhos através da internet na comodidade do seu lar ou escritório.

Reconhecendo o potencial informativo disso são já vários os municípios, algumas dezenas ao que sei, que já permitem que as sessões das suas assembleias municipais sejam seguidas na net pelos respectivos munícipes.

E isso acontece em câmaras lideradas pelo PS, pelo PSD, pelo PCP e pelo CDS.

Ou seja em todos os quadrantes partidários há a abertura à inovação e o espirito democrático suficientes para que isso possa ser uma realidade.

Mas porque para o nosso caso interessam mais as câmaras geridas pelo PS, mais que não seja por comparação com a câmara de Guimarães, cito três exemplos que me parecem perfeitamente esclarecedores.

Desde logo Lisboa.

Onde desde o tempo do anterior presidente e actual primeiro-ministro as sessões da assembleia municipal são transmitidas no You Tube.

Mas também no nosso distrito há câmaras onde o século 21 chegou mais depressa do que a Guimarães.

Cabeceiras de Basto onde há anos que isso sucede e agora Fafe onde por proposta do PSD na AM as sessões desta também passarão a ser transmitidas.

Lisboa, Cabeceiras de Basto e Fafe. Três municípios liderados pelo PS.

Como Guimarães.

Só que cá o PS prefere impor uma autêntica “lei da rolha” e tem chumbado, em sede de assembleia municipal, as várias propostas apresentadas pela coligação “Juntos por Guimarães” e votadas favoravelmente por CDU e Bloco de Esquerda (ou seja toda a Oposição) para que os vimaranenses também eles possam seguir no conforto das suas casas as sessões da sua assembleia municipal.

É de um egoísmo brutal, de uma completa falta de respeito pelos cidadãos, uma machadada enorme no caminho para uma cada vez maior transparência e prestígio do órgão assembleia municipal.

Os vimaranenses não são menos que os lisboetas, os cabeceirenses, os fafenses ou os cidadãos de qualquer outro concelho onde a transmissão das assembleias seja já uma prática corrente.

Não são…menos para o PS de Guimarães que insiste em fazer deles cidadãos de segunda num país em que foram os primeiros a serem portugueses.

Para o PS é legítimo, é democrático, é aceitável obrigar um cidadão de Arosa, de Vermil, de Lordelo, de Balazar, de Rendufe, para só citar algumas das freguesias mais distantes da cidade, a andar dezenas de quilómetros ida e volta para assistir à sua assembleia municipal quando o podia fazer na comodidade do seu lar.

Para a coligação “Juntos por Guimarães” não é.

E por isso nos temos batido pela autorização de transmissão das assembleias municipais na net, por isso temos apresentado várias moções nesse sentido que o PS chumba entre risos de satisfação dos seus deputados municipais (alguns dos quais, curiosamente, tem em off uma opinião bem diferente do voto que assumem), por isso continuaremos a pugnar para que os vimaranenses não sejam tratados como cidadãos de segunda no seu próprio país.

Na convicção de que mais dia, menos dia a razão vencerá e a “lei da rolha “e os seus mais entusiásticos defensores sofrerão a derrota que os ventos da História tornam inevitável e inapelável.

Nesse dia, e mais importante do que saber-se quem são vencedores e vencidos, será talvez possível perceber-se de que tem tanto medo o PS de Guimarães para persistir nesta recusa absurda, injustificável e discriminatória para os cidadãos do concelho de Guimarães face aos de tantos outros concelhos.

Luís Cirilo Carvalho, 57 anos, é deputado municipal eleito pelas listas do PSD. Já liderou a concelhia do partido e foi deputado à Assembleia da República 1999 e 2005 na bancada social-democrata. Foi governador civil entre 2002 e 2003. Passou pelo Vitória Sport Clube como dirigente.
Por decisão pessoal, o autor do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico