A um jogo de terminar o campeonato

Falta uma jornada para acabar o Campeonato deste ano e andei a investigar o peso dos jogadores emprestados ao Vitória, que na primeira equipa são 7 jogadores. Eles são: Pedro Henrique, Hurtado, Marega, Hernâni, Bernard, Cellis e Prince.

Relativamente à utilização destes jogadores durante a época, constata-se que nos dez primeiros com mais minutos, estão quatro e são eles: Pedro Henrique, Hurtado, Marega e Hernâni.

No que diz respeito aos golos obtidos pelo Vitória até ao momento, foram marcados 50 golos na Liga NOS, 9 na Taça de Portugal e 4 na Taça CTT.

Os jogadores emprestados são responsáveis por 27 golos (54%) na Liga NOS, 7 golos (78%) na Taça de Portugal e 2 golos (50%) na Taça CTT.

Por aquilo que se vai lendo na comunicação social, parece-me que os responsáveis da SAD do Vitória estão preocupados, pois fala-se no interesse em ficar com o Pedro Henrique, com o Hurtado e com o Prince.

Quanto aos restantes, e também segundo a comunicação social, o Hernâni (FCPorto), o Cellis (Benfica) e Bernard (At. Madrid) irão regressar aos seus clubes de origem. Quanto ao Marega também se diz que faz parte do contrato da venda do Soares para o FCPorto, que ficará aqui mais um ano, embora ele diga que não volta a jogar com o treinador atual (Nuno), ficará ou não?

Entendo que o Vitória e os seus responsáveis deverão estar atentos a estes dados, pois se não alterarmos a rota das contratações, e, continuarmos a darmos preferência a emprestados, corremos sempre o risco de chegarmos ao fim das épocas, com bons resultados, mas que depois deixem de ter reflexo no futuro.

Na época que está a findar também se verifica que os principais artilheiros do Vitória, Marega, Hernâni e Hurtado, fizeram uma época muito melhor que a anterior, mesmo jogando noutros clubes.

É tempo de reforçar apostas semelhantes a esta época, como ter jogadores novos, recuperados da equipa B (Konan – 21 anos); (Zungu – 24 anos) ou contratados (Rafael Miranda – 32 anos) e (Rafael Martins – 28 anos), mas precisamos de arranjar mais soluções para evitar ao máximo jogadores emprestados.

Secundino Rodrigues, 63 anos, é reformado da profissão de empregado administrativo. Sócio do Vitória com o número 1.104, gosta de verter a sua paixão pelos números na análise dos resultados do seu clube. Escreve à quarta-feira.