Património de Nossa Senhora da Luz a crescer com a ajuda de todos

A Irmandade em Honra de Nossa Senhora da Luz tem um sonho… E o sonho está a ganhar vida, já existe calendário e projeto e o rosto da concretização será o de todos. Quem nos conta a ideia é o atual Juiz da Mesa Administrativa, José Manuel Antunes.

Em causa está ampliar as instalações atuais, junto ao coreto no Monte de Nossa Senhora da Luz, de forma a que o espaço sirva as atividades ligadas ao culto e veneração de Nossa Senhora, quer outras que venham a ser idealizadas no futuro, bem como servir de apoio à zona de refeições durante as Grandiosas Festas que se realizam no fim de semana da Pascoela.

“As diferentes mesas administrativas da Irmandade em Honra de Nossa Senhora da Luz, especialmente a última, presidida pelo Manuel Oliveira, em consonância com as Comissões de Festas, procuraram marcar uma posição e todas as Comissões de Festas nos seus mandatos de três anos procuram deixar uma marca para o património da Senhora da Luz e para o futuro. Assim, dessa perspetiva e dessas conversas, nasceu este sonho”, descreve José Manuel Antunes.

Inicialmente a ideia passava por fazer uma ampliação das atuais instalações da Irmandade apenas ao nível só do rés-do-chão, no entanto, entretanto surgiu a possibilidade de aumentar o sonho… “Quando entramos para a Irmandade, e estava já a Comissão de Festas em vigor presidida pelo senhor Soares, vimos que há a possibilidade de fazermos uma ampliação um bocadinho mais ambiciosa”, acrescentou o atual juiz, empossado fez no Domingo de Ramos um ano.

Agora em cima da mesa, e já aprovado pela Câmara Municipal de Guimarães, está um projeto de intervenção mais profundo, aproveitando o declive da rua de baixo, da Calçada de Nossa Senhora da Luz. A licença está emitida. A cave deverá ter 200 a 220 metros quadrados, enquanto o rés-do-chão cerca de 180. A adjudicação formal da obra realiza-se no Domingo das Festas depois da missa solene.

“O espaço nunca é demais. Haverá sempre funcionalidades no futuro. Vamos adjudicar a obra com um ato simbólico no final da eucaristia e assinar um contrato com o empreiteiro que já foi selecionado. Contamos com quatro meses de obra, dependendo da ajuda ou não da meteorologia”, descreve José Manuel Antunes. “Quem sabe fazemos uma festa ao emigrante lá para o final do verão”, adianta, esperançado em poucas dilatações de prazo.

A empreitada deverá custar entre 170 a 200 mil euros e uma das características é o aumento, ao nível da cave, do pé direito para três metros. A Irmandade em Honra de Nossa Senhora da Luz estima ter algum apoio camarário e de outras instituições. A Comissão de Festas atual também já se comprometeu em doar algum saldo dos três anos de mandato para este sonho, mas José Manuel Antunes acredita que o entusiasmo e o orgulho na obra vão contagiar mais e mais creixomilienses e devotos de Nossa Senhora da Luz, sobretudo os Irmãos que atualmente se aproximam de uma centena.

“Todos os Irmãos, se quiserem, devem ter a possibilidade de dar o seu contributo. É uma obra para todos e nós como Irmãos também temos a responsabilidade de criar condições e angariar fundos. A ideia passa por criarmos quatro ou cinco escalões e cada irmão dá o que pode e quando pode, não tem de ser de uma vez”, conta o juiz da Irmandade.

Explicando: cada Irmão escolhe um valor e para o conseguir pode ir dando aos poucos quer despendendo do seu orçamento próprio, quer através da ajuda de amigos e/ou familiares, vizinhos e/ou conhecidos, que queiram entrar na sua ‘conta’, no seu escalão, emagrecendo o bolo que aquele Irmão decidiu absorver… Ou seja, todos, quer sejam Irmãos ou não, poderão contribuir. E a obra que é para todos passa também a ser de todos!

“Todos os Irmãos vão ter de trabalhar um bocadinho para darmos um sinal de que a obra é nossa e não é apenas financiada por verbas camarárias ou institucionais”, explica José Manuel Antunes, segundo o qual, um dos grandes objetivos deste projeto é criar condições para que a Irmandade tenha um espaço próprio quer para a sua atividade, quer para reuniões e para guardar materiais. Note-se que as Comissões de Festa também utilizam equipamentos e materiais – talheres, pratos, copos, entre muitos outros – que necessitam de ser armazenados, catalogados e organizados de forma a evitar desperdícios e custos futuros.

“Pretendemos que o trabalho da Irmandade possa ser um pouquinho mais ambicioso. Além de cuidarmos do culto e da veneração a Nossa Senhora da Luz, como a celebração da eucaristia semanal que é muito importante, podemos ir mais além e fazer outros projetos desde lúdicos, ao lado social, mas para isso temos para ter espaços para podermos ampliar essa missão e esses objetivos”, conclui o atual Juiz da Mesa Administrativa.

Texto e fotos: Paula Fernandes Teixeira – Creixomilense, autora dos textos originalmente publicados na revista da Comissão de Festas de Nossa Senhora da Luz