Dialética Política: Os medalhados do 24 de Junho e a ausência do presidente

banner DUAS CARAS.jpg

 

As Medalhas de Honra Municipais serão entregues a António Mota Prego e João Gomes Alves. As Medalhas de Mérito Municipal serão atribuídas a Arménio Sá (Mérito Artístico), Manuel Mendes (Mérito Desportivo) e João Sousa (Mérito Desportivo), no âmbito das Comemorações do 24 de Junho – Dia Um de Portugal. Pelo segundo ano consecutivo, não há mulheres a serem medalhadas.

Adelina Paula Pinto, presidente em exercício

A medalha de honra ao Dr. Gomes Alves e ao Dr. Mota Prego por razoes de cidadania e de participação ativa daquilo que foi o movimento associativo e político em Guimarães, nomeadamente do pós-25 de Abril.

São duas pessoas de quadrantes diferentes em termos políticos, foram os dois presidentes da Assembleia Municipal. Mas além de serem presidentes da Assembleia Municipal, e da importância que isso tem nos momentos-chave, também pela parte associativa pois estiveram na origem do movimento associativo em Guimarães. São duas pessoas unanimemente consideradas de importância grande na cidade e no concelho.

Mérito artístico ao Arménio de Sá, um pintor e com uma flexibilidade muito grande em que é um artista em múltiplas áreas e que tem disseminado esse trabalho pelo país e pelo estrangeiro, inclusive, em várias exposições e coleções. Além desta multiplicidade que tem no uso quer da pintura, quer da escultura, quer do azulejo, quer das serigrafias, tem esta característica que muito nos agradou, que é ser um apaixonado por Guimarães. E isso é evidente naquilo que vai fazendo. Ele pinta muito Guimarães e os vimaranenses, com muitos quadros das particularidades locais de Guimarães. Isso ficou para a vida.

Os dois de mérito desportivo: João Sousa – por vencer o Estoril Open, além de todo o percurso que tem e que se tem destacado no ténis internacional – e o Manuel Mendes, por ser um homem que nos últimos três anos tem sido resiliente, ultrapassado barreiras e ganho as medalhas que sabemos que ganhou. Achamos que deveria ser honrado e medalhado.

Não temos que escolher ninguém por ser mulher. O que realmente continuamos a verificar é que as pessoas que de qualquer forma se destacam, nomeadamente na questão da cidadania e da questão da participação ativa – e quando estamos a destacar pessoas que já estão numa faixa etária que não serão propriamente tão jovens-, as mulheres estavam efetivamente afastadas desse lugar. E na questão do desporto também, que é uma das coisas que discutimos na reunião de Câmara, que era a prática desportiva [sobre um programa de apoio às mulheres para a pratica de desporto em contexto urbano], nós sabemos que as mulheres são muito menos federadas, por exemplo, o número de mulheres federadas são menores. Não queríamos nunca chegar ao ponto de dizer vamos escolher uma mulher e escolher uma mulher qualquer. Teria de ser uma mulher com estatuto. Obviamente que isto é uma discussão que já temos tido internamente e que nos preocupa porque se nota que a questão de género ainda é uma questão muito subjacente e que está muito vincada na questão dos medalhados.

Bruno Fernandes, vereador da Coligação Juntos por Guimarães

Em nome do PSD, queria, naturalmente, deixar aqui um comentário sobre a proposta que foi apresentada hoje, e votada por unanimidade, relativamente às honrarias do município. Primeiro, dizer que achamos bem que os órgãos do município, nomeadamente a Câmara Municipal e a Assembleia Municipal, reconheçam o mérito dos vimaranenses que, ao longo da sua vida, se vão destacando nas mais diversas áreas. Por isso é que achamos muito bem que o município delibere todos os anos, conforme o regulamento que existe as medalhas honoríficas do concelho. Segunda nota, dizer que o PSD votou favoravelmente a proposta apresentada pela Câmara Municipal, porque entendemos que as personalidades em causa merecem este reconhecimento nas mais diversas áreas, como bem sabemos, na área cívica e política, na área do desporto e na área artística. Portanto nada a dizer, a não ser que achamos muito importante que Guimarães, os seus órgãos máximos, reconheça este percurso de vida, alguns deles ainda muito jovens, mas já com grande trabalho desenvolvido nas suas áreas de intervenção, que no fundo lhes permite um sucesso individual, mas que é um sucesso que a todos nós, vimaranenses. Deve orgulhar, e por isso, o PSD votou favoravelmente a proposta apresentada, de honrarias às cinco personalidades que bem sabemos.

Achamos muito estranho e censuramos, mesmo, que o senhor presidente da Câmara não tenha estado nesta reunião de Câmara. Houve tempo suficiente para que estas medalhas fossem trazidas, ou para que esta proposta das honrarias fosse trazida à reunião de Câmara. E no dia em que o órgão e a entrega das medalhas é aqui, depois é a festa, no dia 24 de junho. Mas o reconhecimento é aqui, neste órgão, Câmara Municipal, e censuramos que o senhor presidente da Câmara não tenha estado nesta reunião.

Não colocamos em causa, obviamente, o motivo, as suas férias, isso é mais que legítimo, mas achamos que houve tempo suficiente para que a proposta viesse à reunião de Câmara com todos os membros desta Câmara. Não poderíamos deixar de censurar esta questão.

Nós, como bem sabemos, o procedimento é: o senhor presidente de Câmara consulta os partidos, e nós tivemos oportunidade, nessa reunião, de dizer ao senhor presidente que achávamos que o timing em que eram ouvidos os partidos era muito em cima do tempo de deliberação. Isto é, tradicionalmente, nos mandatos anteriores, em meados de abril, nós éramos chamados e éramos ouvidos, e aí haveria oportunidade para podermos apresentar sugestões e, no fundo, discutir com mais calma e detalhe as propostas trazidas pelo senhor presidente da Câmara. Não aconteceu e, portanto, nós dissemos isso mesmo, achávamos que, com o devido tempo, deveríamos discutir esta questão das medalhas, por forma a que pudessem integrar também sugestões dos partidos.

O critério que foi apresentado pelo senhor presidente da Câmara foi, nomeadamente, relativamente às medalhas de honra, serem ex-membros da Assembleia Municipal, presidentes da mesa, no caso, não houve nenhuma mulher, e depois, do mérito desportivo e artístico, muito influenciado por aquilo que foram os resultados recentes, nomeadamente dos dois atletas. Obviamente que em Guimarães existem mulheres da dimensão dos medalhados que hoje aqui deliberamos. Julgo que foram as circunstâncias concretas que não permitiram ou que não coincidiu com a apresentação de uma proposta relativamente a uma mulher. Mas como sabem, as propostas são por iniciativa do senhor presidente da Câmara e, depois, ouvidos os partidos, são trazidas a esta Câmara.

Em contexto de reunião de Câmara, o órgão que governa dos destinos do município, os temas são quase sempre debatidos a duas caras. Este exercício de dialética política serve para conhecer os argumentos que suportam as aprovações, abstenções ou chumbos que, de quinze em quinze dias, vão marcando a cidade. O seu a seu dono: discursos transcritos na primeira pessoa.
Este trabalho conta com o apoio da:

ipsis-verbis